Music can change the world because it can change people.

Bono

ULTRAVIOLET-U2 Brasil

você está em
Notícias

Voltar
lista de notícias

22 fevereiro 2006 12:50

por: followerU2

Fonte: UOL

Este texto poderia ter sido escrito antes das 21h39 da segunda-feira (20), horário em que os quatro integrantes do U2 pisaram o palco do estádio do Morumbi, em São Paulo, no primeiro dos dois shows brasileiros da turnê “Vertigo”. Afinal, todos os passos da maior banda pop do mundo na atualidade, que encerra a perna brasileira da turnê nesta terça, no mesmo local, seguem um roteiro muito bem-escrito.

Mas, apesar da preparação e produção impecáveis, seria injusto com a banda, que promoveu histeria coletiva, e com o público, que cantou cada uma das 23 músicas do show como se fosse a derradeira do bis – tipo de noite que, no cenário musical pop, apenas John, Paul, George e Ringo devem ter conhecido no auge da Beatlemania.

Da corrida desenfreada por um dos 73 mil ingressos para cada uma das noites, que esgotaram em poucas horas, do set-list básico da apresentação, dos detalhes cenográficos, conhecidos por cada fã pela recente apresentação em Chicago lançada em DVD (“Vertigo 2005”), dos discursos e palavras de ordem do Messias da música pop, o frontman Bono Vox, e dos sorrisos satisfeitos dos espectadores às 23h57, ao final da apresentação —tudo é previsível. Mas a diferença que o U2 apresenta não é a imprevisibilidade, mas a qualidade.

A balzaquiana banda irlandesa não precisa entrar na praxe dos dinossauros do rock, de modo geral acompanhados em uníssono em um hit de décadas passadas e por aplausos de estímulo, do tipo “essa-é-fraquinha-mas-por-todo-o-seu-passado-eu-aplaudo-para-dar-aquela-força” quando tocam alguma canção dos discos mais recentes.

SHOW

Iniciaram a apresentação no Morumbi, por exemplo, com o estádio inteiro urrando três músicas recentes —”City of Blinding Lights”, “Vertigo” e “Elevation”—, voltaram um pouco no tempo com “Until the End of the World”, de 1991, e emendaram com uma música de 23 anos atrás, “New Year’s Day”, do disco War, de 1983. Apesar do pulo de quase um quarto de século no tempo, o entusiasmo do público permaneceu inalterado, e muitas vezes os gritos deste superaram a massa sonora que emanava do palco.

Uma fã percebe que sou jornalista e grita no meu ouvido: “Escreve que o U2 é a oitava maravilha do mundo”.

Bono agradece do palco à banda de abertura, Franz Ferdinand, e brinca que da próxima vez serão eles a abrir o concerto dos escoceses.

Copa do Mundo. Vamos ganhar o hexa. U2 é irlandês, mas Deus é brasileiro”, fala em inteligível português, e a banda começa “I Still Haven’t Found What I’m Looking For”.

O cantor brinca mais uma vez em português puxando o coro de “Ai, ai, ai, ai, tá chegando a hora” como introdução para “Beautiful Day”.

O baterista Larry Mullen e o baixista Adam Clayton descansam enquanto Bono faz duo com o guitarrista The Edge em uma versão acústica de “Stuck in a Moment (You Can´t Get Out Of)”.

À memória do pai do vocalista, morto recentemente, é dedicada “Sometimes You Can´t Make it on Your Own”.

A banda inteira caminha em passarelas no meio do público e no meio dos fãs tocam “Love and Peace on Earth”. Na seqüência, a música mais famosa da banda, “Sunday Bloody Sunday”. Bono puxa o coro anti-intolerância religiosa com uma faixa com a estrela-de-davi e a cruz católica na cabeça.

Após “Bullet the Blue Sky”, Bono (sem a cooperação de Luciano Pavarotti) puxa um fã da platéia, Enrique, para ajudar-lhe a cantar “Miss Sarajevo”, enquanto o telão mostra a Declaração dos Direitos Humanos —a deixa para “Pride” para o público cantar com fé o refrão “in the name of love”.

Após “Where the Streets Have no Name”, Bono pede que todos levantem os telefones celulares, as luzes se apagam e o estádio é tomado pelas luzes dos aparelhos. O vocalista faz um discurso pela igualdade e contra a pobreza e canta os primeiros versos de “One”.

A banda sai de cena.

Mas em poucos minutos voltam com três músicas do disco de 1991, “Achtung Baby”: “Zoo Station”, “The Fly” e “Mysterious Ways”.

Bono canta “With or Without You” abraçado à fã Patrícia, escolhida da platéia para subir ao palco. Depois da música, a banda deixa o palco mais uma vez.

Mais alguns minutos e retornam com “All Because of You”. Tocam ainda duas músicas —”Original of the Species” e “40”— e deixam o palco na virada para a madrugada de terça-feira, às 23h57 após duas horas de 18 minutos de espetáculo e sob um coro da platéia que insiste para que voltem mais uma vez. Mas desta vez o show termina e as luzes se acendem.

Comentários

Não há comentários.

Busca

Assine

Lista de Discussão

Converse com os fãs do U2 por .

Redes Sociais

Facebook Twitter Google Plus RSS

Anúncios

Coloque seu anúncio aqui.

Contribua

Se você tem alguma dica de notícia sobre o U2 que ainda não publicamos, por favor envie-nos um email. O nosso endereço é dicas@ultraviolet-u2.com.

Por favor indique a fonte da notícia e, se houver uma foto que ilustre a notícia, anexe a foto ao seu email.

Nós Apoiamos

GRAAC Conheça mais sobre o GRAAC. Assista o vídeo. Você também pode ajudar. Faça uma doação ao GRAAC.
Ultraviolet