Tag: i+e Tour

Alguns dos melhores dias de nossas vidas. Parte 2

Alguns dos melhores dias de nossas vidas. Parte 2

Por Maria Teresa Menegassi da Rosa

Screenshot_11
Foto by Ricardo Rocha

Nos meus 30 anos recém completados como fã do U2 (pra quem não sabe, me apaixonei pela banda em 13 de julho de 1985, ao ver a performance deles no Live Aid), ganhei um super presente: ver metade da banda – Adam e The Edge – aparecer de surpresa e tocar na festa de 20 anos do ótimo fansite @U2, criado por Matt McAgee, referência na comunidade de fãs do U2 pelo mundo afora.

Sempre gostei de festas e reuniões de fãs. São eventos que congregam pessoas com a mesma paixão, que pra tantas outras pessoas parece descabida. Participei em 2005 da festa do grupo U2 GTA, em Toronto, no Canadá, que aconteceu antes dos 4 shows da Vertigo Tour na cidade. E depois, em 2008, da grande festa de 10 anos do nosso fã clube, Ultraviolet-U2 Brasil, em São Paulo. Dessa vez, decidimos participar na festa do pessoal do @U2, que aconteceria no dia 29 de julho, véspera do penúltimo show do U2 em New York.

Screenshot_12
Foto by Isabel Rocha

O encontro começou cedo, num bar/pub chamado The Cutting Room, lugar pequeno, mas bem interessante. A atração principal da festa era a performance da banda cover de New York, Unforgettable Fire, também completando 20 anos de estrada. O setlist trouxe de volta à vida pérolas pra gente que é fã há muito tempo, músicas que o U2 não toca há décadas como: Twilight, An Cat Dubh, Seconds, A Celebration, Exit, Trip Through Your Wires, e até uma inédita, Acrobat, além de praticamente todos os grandes hits. A banda é realmente muito boa, estão de parabéns.

Mais ou menos na metade do show, o vocalista Tony Russo anunciou uma surpresa, algo que eles também não esperavam. Em seguida, vemos Dallas Schoo, técnico das guitarras do Edge no palco. Todos aplaudiram e gritaram muito, pois ele é uma figura queridíssima dos fãs do U2.  Ele pega uma guitarra da banda cover, busca a afinação, e todos na audiência pensam que ele vai tocar pros fãs presentes na festa. Ele então toca algumas notas, porém parece desistir da idéia e devolve a guitarra… nesse exato momento sobem no palco The Edge e Adam Clayton, que haviam entrado no pub completamente incógnitos! (vale ler o relato com todos os detalhes dessa proeza, escrito pelo Matt McAgee aqui, em inglês.

A partir daí, eu me vi outra vez na gravação do especial do U2 para o Fantástico em novembro de 2000… não dava pra acreditar que Adam e The Edge estavam ali, tão perto da gente. Nossa queridíssima Ana Vitti, fundadora do Ultraviolet, chorava e chorava, incrédula como tantos ali. Eu? Sorria e sorria, não me perguntem o porquê… talvez por vê-los sorrindo muito, genuinamente felizes em estar prestigiando o evento, tocando outra vez num pequeno pub, como no começo da carreira deles.

Screenshot_3
Foto by Ricardo Rocha
Screenshot_4
Foto by Ricardo Rocha
Screenshot_5
Foto by Ricardo Rocha
Screenshot_10
Foto by Ricardo Rocha
Screenshot_9
Foto by Ricardo Rocha
Screenshot_6
Foto by Ricardo Rocha
Screenshot_8
Foto by Ricardo Rocha
Screenshot_7
Foto by Ricardo Rocha

A emoção foi muito grande, catarse total. Eles tocaram Where the Streets Have no Name, depois posaram pra fotos com a banda cover, enquanto todos gritavam “one more song, one more song…”, e então pegaram os instrumentos novamente e tocaram Out of Control…o primeiro single, o primeiro registro fonográfico, a música que Bono compôs na manhã do seu aniversário de 18 anos, quando se deu conta de que os dois eventos mais importantes das  nossas vidas estão fora do nosso controle, da nossa vontade: nascer e morrer.

Screenshot_13

Por que eles apareceram na festa? Por que decidiram prestigiar o evento? A esta altura da carreira, uma das bandas mais famosas e celebradas do mundo…não havia nenhuma necessidade! Foi uma deferência muito especial aos seus fãs, especialmente sendo surpresa total, inclusive para os organizadores da festa e para a banda cover. Inacreditável. Inesquecível. Esse é o U2 que amamos.

O site da banda citou o episódio, com fotos e vídeos.

Veja o que aconteceu no vídeo abaixo:

Alguns dos melhores dias das nossas vidas…

Alguns dos melhores dias das nossas vidas…

Por Maria Teresa Menegassi da Rosa

Engenheira Civil, fã do U2 há 30 anos e membro do Ultraviolet há cerca de 15.

11224606_10153547254394165_3351638222029242063_o

Pensei em vários títulos pra este texto que me propus a escrever, em forma de depoimento, sobre o que vivemos acompanhando os dois últimos shows do U2 em New York, dias 30 e 31 de julho, além da festa de aniversário do fansite @U2, no dia 29 de julho.

Minha proposta original era de voltar a Dublin no final do ano, porém os tão esperados shows na cidade não chegaram a ser anunciados. Assim que a iNNOCENCE + eXPERIENCE Tour começou, em Vancouver, maio passado, Edge e Bono deixaram claro que esse show, essa produção, não teria condições de ser levada pra cidade “deles”, e que eles estavam tentando viabilizar shows na cidade… parece que ainda estão.

A verdade é que, ao ver as primeiras imagens desses shows, corri pra ver onde ainda havia ingressos disponíveis, porque eu jamais me perdoaria se não fosse a pelo menos um deles. À essa altura, só os dois últimos, dos oito shows em New York, ainda tinham ingressos à venda, e apenas cadeiras. Os ingressos de pista obviamente foram todos vendidos na pré-venda do U2.com, e eu, assim como muitos fãs, havia guardado meu código de pré-venda para Dublin. Agora ele não servia mais pra nada…mas c’est la vie.

11822681_10203325862027464_3811145336959335482_n

Decidi virar essa página, e junto com queridos amigos, assistir a esses dois shows em New York. E o que dizer sobre esses shows? Simplesmente fantásticos. O nível de inovação, de criatividade, e ao mesmo tempo de simplicidade dessa produção é impressionante. Como todos os shows do U2 desde a ZooTV, é uma produção que procura utilizar ao máximo recursos de vídeo e iluminação, pensada para quem está no lugar mais longe da arena, além da qualidade de áudio impecável. O show é extremamente coreografado, com pequeno espaço para improvisação, mas sabemos que essa tem sido a proposta do U2, de novo, desde a tour do Achtung Baby.

O espetáculo se desenrola realmente em dois atos, com um pequeno intervalo. A proposta original da banda era fazer pares de shows diferentes, um mais elétrico e outro mais acústico, ou talvez um mais sobre a “inocência” e outro mais sobre a “experiência”, não sabemos ao certo. O fato é que eles parecem ter desistido dessa ideia, e o que vemos pode ser, de certa forma, uma colagem dessas duas propostas, com dois atos como numa peça teatral.

A primeira parte procura levar o público à uma viagem no tempo e no espaço, para a zona norte de Dublin, no final dos anos 70. Bono convida a plateia pra isso, procurando contextualizar o início da banda. Iris é lindíssima, muito emocionante, e Song for Someone também não fica atrás. Os efeitos utilizados em Cedarwood Road, especialmente, são impressionantes ao vivo, com um passeio virtual do Bono pela rua e memórias de sua infância e adolescência. Já ao final de Until the End of the World, as ondas virtuais no telão levam tudo embora (as casas, carros, a cerejeira florida, enfim…), o que pra mim demonstra fim da inocência. É o fim do primeiro ato.

Na segunda parte estão os grandes hits, e é também onde acontecem algumas variações no setlist. Falando sobre eles (Pride, Mysterious Ways, With Or Without You, Streets, etc), é impressionante a reação que essas músicas provocam no público em geral, o que me dá a certeza de que elas nunca vão sair do setlist. Pra nós que somos fãs, elas podem soar desgastadas até, mas não tem jeito, elas tocam fogo na massa.

Foi muito bom ouvir Ordinary Love e Satellite of Love na primeira noite, dia 30, e também Party Girl e Stand By Me na segunda noite, dia 31. Pena que não rolou Gloria, October, Lucifer´s Hands ou Bad, mas tudo bem, não costumo reclamar de setlists. E fechar o show e a leg americana da tour com “40” foi emocionante, como sempre.

11001624_904486666278631_3762699187828785023_o
Foto by Ju Sarda

No show do dia 30, aconteceu um episódio um tanto insólito, quando o Bono quis agradecer as pessoas que o ajudaram após o grave acidente de bicicleta que sofreu no Central Park em novembro passado. O Madison Square Garden inteiro vaiou a tal mulher que deu o telefonema para os bombeiros, já que, num ato insano e talvez impensado, fez questão de se autopromover criticando os nova-iorquinos na casa deles. O Larry ficou visivelmente indignado e o Bono prometeu na hora não fazer mais esse tipo de coisa. Será que ele cumpre?

Em compensação, no show do dia 31 teve brasileiros no palco. A turma do fansite U2BR usou e abusou da criatividade e reproduziu os figurinos a la Village People do videoclipe de Discotheque, conseguindo chamar a atenção da banda. Bono os convidou para subir no palco enquanto tocavam Desire e eles fizeram a festa. Foi muito legal testemunhar a empolgação dessa turma. Pena que não rolou Discotheque, mas quem sabe eles não mudam de ideia na próxima leg?

11009971_600373916769428_3940455163021359546_n

E pra fechar, as participações de Paul Simon, dia 30, e Bruce Springsteen, dia 31. Memoráveis. Sem mais.

E sobre Adam e The Edge bancando os penetras na festa do @U2? Ainda vou falar sobre isso, mas paro por aqui pra não me estender demais. Só adianto que foi épico!.

 

Paulo Lilla, o brasileiro que tocou com o U2 no MSG: Foi mágico!!!

Paulo Lilla, o brasileiro que tocou com o U2 no MSG: Foi mágico!!!

Screenshot_3

Paulo Lilla, 37 anos, advogado, foi o homem escolhido por Bono para tocar All I want is you no show do Madison Square Garden da última quinta feira, dia 23 de julho. Fã do U2 há quase 25 anos – “Depois de assistir Rattle and Hum” – Paulo sabe que 10 entre 10 fãs da banda irlandesa gostariam de estar em seu lugar. “Estava escrito! Foi coisa de Deus”, afirmou.

Ele nos concedeu entrevista exclusiva, direto de Nova Iorque, onde revela aos amigos do fã clube Ultraviolet sua “experiência”, as impressões sobre Bono e a banda, além de detalhar tudo o que aconteceu durante esta super aventura norte americana.

Paulo foi para Nova Iorque com a esposa, Angela, em férias programadas para coincidirem com as apresentações da banda. Lá encontrou-se com outros UVs – Cristianne Medeiros e Eraylton Neto – e assistiu um show nas cadeiras e outro – justamente este onde foi protagonista – na pista. Sua esposa, que o acompanhou nas cadeiras, não foi neste, não tinha ingresso.

Screenshot_8

Ele já tinha assistido a todos os shows que o U2 havia feito em São Paulo, mas esta foi a primeira vez que viajou para vê-los fora do Brasil. Ficou impressionado com o espetáculo visto da arquibancada: “Dá pra ver a grandeza do show, com o telão e tudo mais. Aquele telão interage com a banda o show inteiro, faz parte do espetáculo. Quem tá na pista perde muito isso”, revelou.

Apesar disto, prefere a pista porque “Há uma interação incrível entre público e banda! Bono tem um carisma incrível! Consegue unir a galera”. A ideia de levar o cartaz veio do fato de ver outros serem chamados: “Vi que ele chamou pessoas pra tocar em vários shows. Estão interagindo muito mais com o público, dado o clima mais intimista dessa turnê, então resolvi arriscar… Fiz um cartaz mequetrefe, feio pra caramba, porém grande. Feio, mas eficaz! Fiz a mão, com canetinha mesmo”, brincou.

Screenshot_7

A seguir, vocês vão ler o relato da aventura vivida por Paulo, em primeira pessoa. Tudo o que ele viveu, sentiu e consegue expressar com palavras, já que é impossível descrever de forma racional tamanha emoção.

 

“Quando o Bono foi ao palco e parou na minha frente, levantei o cartaz. Não fiquei com ele levantado o tempo todo pra não atrapalhar o pessoal que estava atrás. Bono viu, leu, e fez um sinal pra mim com a cabeça. Eu não disse nada… Apenas levantei o cartaz e olhei fixamente para ele, sorrindo. Como se eu estivesse falando com os olhos.

Quando ele fez o sinal pra mim, achei que minhas chances tinham aumentado. Aí o show seguiu e mantive o cartaz abaixado. Fiz várias fotos e videos bacanas, já que a posição era privilegiada. Quando a banda veio ao palco B e tocou Mysterious Ways, o sonho começou…

Bono puxa uma colombiana pra dançar com ele e filmar pelo celular. Quando vi que tocaram Sweetest Thing achei que não teria mais chances, pois normalmente chamam pra tocar Desire ou Angel of Harlem. Nenhuma das duas foi tocada. Ai veio Every Breaking Wave.

Nesse momento, eu já me conformava que não iria rolar. Quando acabou, ele disse algo no ouvido do Edge. E veio em minha direção, perguntando quem era o cara que tocava guitarra. Eu levantei a mão e mostrei o cartaz. Ai, ele perguntou se eu sabia tocar All I Want is You. Disse que sim. E ele me chamou…

Subi e ele perguntou meu nome e de onde eu era. Respondi e a Arena veio abaixo. Ele disse para eu conferir a afinação com Edge. E comecei a tocar os primeiros acordes. Meio improvisado. Comecei a tocar, mas não tinha retorno… Eles ficam com um retorno no ouvido para conseguirem se ouvir.

Eu não conseguia ouvir o que estava tocando. E Bono foi ditando o ritmo pra mim. Com os pés e com as mãos. Dá pra ver no vídeo. Eu estava anestesiado… Foi difícil me concentrar, mas não podia fazer feio diante de 30 mil pessoas no MSG, né? Olhei pro Edge e ele piscou pra mim…

Bono estava concentrado, vendo se eu entrava no ritmo direito. Aí veio o riff do refrão. Fiz direitinho. Ele fez um sinal e a banda entrou. Com a bateria ficou mais fácil entrar no ritmo certo. E Bono relaxou e começou a cantar mais solto…

Eu comecei a flutuar pelo palco pra curtir o momento… Olhava para as pessoas em volta, olhava o pessoal nas cadeiras… Um sonho!

O Bono olhava fixamente nos meus olhos e eu olhava nos dele. Como se houvesse uma comunicação por telepatia. Fiquei impressionado, como ele é baixinho… Mas é uma figura abençoada, um ser iluminado! Impressionante!

Ele viu que eu estava cantando e aproximou o microfone para eu cantar com ele a parte final em que ele grita All I Want is You seguidamente… No final, pediu pra eu dedilhar o violão. Coloquei a palheta na boca e fiz com os dedos pra não ter perigo de errar… Ele veio com aquele snippet de improviso enquanto eu dedilhava.

E olhava pra mim fixamente, nos meus olhos. Eu sorria e agradecia! Então a musica acabou e ele me reverenciou se inclinando pra baixo. Fiz o mesmo! Então veio me abraçar… Abraço forte, carinhoso… Ficamos assim e ele não disse uma única palavra… Enquanto ele me abraçava, começou a tocar With or Without You. Disse pra ele que essa era a musica da minha vida…

Nesse momento, agradeci, fiz graça dizendo que achava que era o primeiro brasileiro a tocar com o U2 (depois lembrei que o Seu Jorge já tinha tocado). Disse que eles eram meus ídolos! E não lembro mais o que falei… Eu estava em transe…

Ele me levou até a escada, fui tirar o violão para entregar pra produção. Mas ele então fez um sinal pra eu parar e disse: “that belongs to you” (isso pertence a você)… Aí, não acreditei… Quase chorei de emoção… Ia pedir pra ficar com a palheta… A produção veio dizer que guardaria o violão até o fim do show…

 

11778004_1093477487347248_153003295_n
Foto by Paulo Lilla
11798446_1093477440680586_1767138515_n
Foto by Paulo Lilla

 

E virei celebridade…  Todo mundo queria me abraçar, me conhecer, tirar foto… E o Dallas veio me trazer a viola no case do Edge. Não resisti e tirei fotos com ele. E a galera atrás, querendo tirar foto comigo! Não conseguia sair do MSG. Todo mundo vinha pedir pra tirar foto, conversar…

Uns achavam q tinha tido ensaio, que foi armado! Foi tudo improviso que partiu da genialidade do Bono, de sentir que aquele momento valeria a pena! Mas sei que me comuniquei com ele com os olhos. É difícil de explicar com palavras…. Foi mágico!”

Screenshot_5

Screenshot_6

Paulo, que tinha Juzinha UV como amiga e por isso se juntou ao fã clube, mandou um belo recado para todos os que ainda sonham em passar pela mesma experiência que ele:

“Espero ter representado bem a UV! E nunca desistam de seus sonhos! Tudo é possível, até o impossível!”

Alguém aqui ainda duvida?

Screenshot_1

Vejam o vídeo com a apresentação:

Outro ângulo:

Paulo Lilla fez tanto sucesso que concedeu entrevista ao canal GloboNews, direto de Nova Iorque, contando a surreal aventura. Teve seu nome citado também no site oficial do U2.

Ficou curiosa com o presente? Dá uma olhadinha nas fotos do violão que o Paulo nos mandou…

11721928_1093565957338401_1775451204_n
Foto by Paulo Lilla
11798312_1093566140671716_357626137_n
Foto by Paulo Lilla
11798491_1093566157338381_625633258_n
Foto by Paulo Lilla
11798572_1093566307338366_1468695786_n
Foto by Paulo Lilla
11798189_1093566744004989_1881488834_n
Foto by Paulo Lilla
11778142_1093566160671714_195046793_n
Foto by Paulo Lilla
11212475_1093566557338341_1851367634_n
Foto by Paulo Lilla
11721398_1093566877338309_402899041_n
Foto by Paulo Lilla
11791664_1093566880671642_538908080_n
Foto by Paulo Lilla
11721821_1093566870671643_618427668_n
Foto by Paulo Lilla
11802031_1093566894004974_138822700_n
Foto by Paulo Lilla

 

Parabéns. Paulo!!! Você merece!