Tag: Edge

Quando Edge tinha um perfil no Twitter…

Quando Edge tinha um perfil no Twitter…

Um dos grandes sonhos de muita gente deste fandom é o de se comunicar com seus ídolos. Conversar, nem que seja virtualmente, com um dos quatro membros do U2. O mais próximo que chegamos disso aconteceu durante a turnê 360°, quando The Edge abriu uma conta pessoal no Twitter, micro blog recém criado naquela época.

Ele não interagia com os fãs, utilizava o Twitter como se fosse uma plataforma semelhante ao atual Instagram. Postava muitas fotos de paisagens, de comidas, dos bastidores dos shows e algumas poucas selfies.

Após a turnê, o perfil foi abandonado e o U2 só voltou a aparecer nas redes sociais através de seu perfil oficial, que também não interage com ninguém e tem uma qualidade até questionável, se for comparado com o de outros artistas semelhantes.

Demora a se manifestar sobre temas importantes – como aconteceu quando houve o atentado na França, em que o show foi cancelado. Só soubemos que todos estavam bem via perfil da prima de Edge, Ciara -, não responde perguntas pertinentes, utilizando apenas comunicados no site oficial, existem muitas críticas em relação à interatividade da banda.

Mas em 2009, pudemos olhar o mundo através dos olhos de Edge. Caso vocês queiram matar a curiosidade, o perfil inativo ainda está no ar, mas muitos links já não funcionam mais, inclusive algumas tiradas em São Paulo e em Brasília. Clique aqui para ver. Eis algumas das fotos postadas por Edge, pra vocês matarem a saudade:

Um ângulo inusitado
Bastidores
Larry
Posando
Com o crew
Zoo Dollars
Visitando a NASA

O Eneagrama de The Edge

O Eneagrama de The Edge

O mundo corporativo é muito dinâmico. ele costuma apresentar uma série de estudos sobre a personalidade das pessoas e, atualmente, o eneagrama está sendo utilizado por alguns profissionais de sucesso. Ele pode ser usado na compreensão e estudo de qualquer processo contínuo, uma vez que, em sua lógica, o fim é sempre o início de um novo ciclo.

O UV Henrí Galvão, um grande entusiasta do assunto, resolveu fazer um estudo dentro dos preceitos desta técnica em cima das personalidades de Bono e The Edge. Aqui vai o segundo texto, sobre o Edge. Se perdeu o sobre o Bono, é só procurar em nosso site que está aqui. Se liga só:

Eneagrama & Música: The Edge

Bono certa vez comparou cada um dos quatro membros do U2 a partes do corpo humano. Enquanto ele próprio seria o coração da banda (por conta de sua grande emocionalidade), Adam e Larry representariam os pés, e The Edge representaria a cabeça.

Isso faz muito sentido se a gente for considerar que The Edge (cujo nome verdadeiro é Dave Evans) recebeu esse apelido logo quando da formação da banda, por conta de sua preferência por observar as coisas de uma certa distância, e por conta de seu comportamento geralmente pouco emocional.

E, de uma perspectiva do Eneagrama, a análise de Bono faz ainda mais sentido. Isso porque muitas poucas pessoas que conhecem esse sistema discordariam de mim quando digo que The Edge é, quase que sem nenhuma dúvida, um tipo Cinco.

Não espere por muito

Não é de se espantar que um dos nomes mais comumente usados pra descrever esse tipo é “o Observador” (“o Investigador” também é bastante comum). Eles são considerados os mais “cerebrais” dos nove tipos, no sentido de serem aqueles que tendem a confiar mais no intelecto. Muito frequentemente, em detrimento de suas emoções.

Muito disso vem da sua paixão característica, que é a avareza. No contexto do Eneagrama, a avareza deve ser vista sob um contexto mais amplo, já que ela não trata apenas de ser mesquinho em relação a dinheiro, mas também em relação a outros recursos, como tempo e energia.

Em outras palavras, o tipo Cinco frequentemente percebe as demandas externas como sendo simplesmente demais pra eles. Como resultado, eles tendem a evitar se envolver muito com outras pessoas num nível bastante emocional, em parte porque eles geralmente duvidam de sua própria capacidade de dar a essas pessoas o que elas procuram.

Disso decorre uma tendência a ter a frugalidade em alta conta, e em se virar com menos do que seria sequer concebível pra maioria das pessoas. O que, sob um ponto de vista artístico, pode dar uns resultados muito interessantes.

Tome essas mãos, elas não servem pra nada

Não é nenhum exagero dizer que The Edge é um dos guitarristas mais únicos e influentes de todos os tempos. Ter crescido sob a influência do movimento punk acabou sendo o encaixe perfeito pra um músico que se considera um minimalista de coração, com muito pouco interesse em tocar uma quantidade excessiva de notas.

“Eu sou um músico. Não sou um pistoleiro”, ele diz. E ter essa perspectiva mais ampla de si mesmo lhe permitiu explorar territórios desconhecidos enquanto guitarrista, dando rédea livre pro seu grande interesse nas possibilidades técnicas não só do seu instrumento principal, mas também do estúdio de gravação.

De fato, embora eu não leve muito a sério aqueles que o criticam enquanto guitarrista por causa do seu estilo mais contido, eu às vezes concordo com outros que dizem que ele se fia demais na parafernália técnica ao redor de tudo isso, a qual envolve um setup ridiculamente complexo de guitarras durante os shows.

E isso, por sinal, também pode ser creditado ao seu tipo no Eneagrama. Por um lado, o tipo Cinco tende a ter uma capacidade fora do comum de se concentrar e ir a fundo no trabalho que faz. Por outro lado, eles podem ir longe demais nisso, ficando obcecados com detalhes que, no fim das contas, podem acabar lhes distraindo do todo.

Aliás, até certo ponto foi uma surpresa pra alguns fãs quando Bono disse recentemente que o maior culpado pelo fato do U2 estar demorando cada vez mais pra lançar seus álbuns é The Edge. O fato dele ser tanto o maior workaholic quando o maior perfeccionista da banda é capaz de deixar todo mundo ao seu redor louco.

Você vem vivendo debaixo da terra, comendo de uma lata

O que me leva à questão dos subtipos, já que essa mistura de workaholismo e perfeccionismo é a maior razão de eu acreditar que o seu instinto mais forte no Eneagrama é o autopreservação.

Confesso que essa não é uma aposta muito confiante da minha parte. Em parte porque os diferentes subtipos do Cinco não são considerados muito diferentes uns dos outros, exceto pra aqueles que os conhecem muito bem (o que tende a ser uma tarefa difícil, como vimos).

Mas, como eu não vejo nele nem o idealismo que parece ser típico do Cinco social, nem o romantismo do Cinco sexual, classificá-lo como autopreservação-dominante me parece que pelo menos faz algum sentido (afinal, esse subtipo é o considerado o mais “puro” dos Cinco).

Em geral, diz-se que o Cinco autopreservação tem uma necessidade mais forte por demarcações claras e por se isolar, assim como uma dificuldade maior que os outros dois subtipos no que se refere a ser assertivo e demonstrar agressividade.

Não sei se quaisquer desses aspectos se aplicam a The Edge com certa regularidade (algo que provavelmente só os seus familiares e os seus colaboradores mais recorrentes poderiam dizer), mas o seu excesso de dedicação ao trabalho me lembra algo que Bea Chestnut diz em The Complete Enneagram:

O Cinco autopreservação limita suas necessidades e vontades por acreditar que todo desejo pode abrir a porta para que eles se tornem dependentes de outros. Desejos, portanto, são ou sublimados em interesses específicos, ou apagados da consciência.

Suponho que tais interesses e atividades poderiam ser simplesmente hobbies para alguns desses Cinco. Mas também é muito frequente que eles sejam seu ganha-pão.

E isso me leva ao meu último ponto de hoje (e provavelmente a coisa que mais me incomoda enquanto fã do U2).

Uma ideia perigosa que quase faz sentido

Embora, enquanto banda, o U2 sempre tenha sido mais apolíneo do que dionisíaco (no sentido de demonstrar uma preocupação muito forte com o que é apropriado de se exibir ou não), nos últimos quinze anos, mais ou menos, esse desequilíbrio cresceu ainda mais.

Enquanto boa parte dos anos 90 viu a banda se reconciliando com seu lado dionisíaco (o que, pra todos os efeitos, foi uma experiência liberadora pra todos eles), desde então eles vêm tendo mais e mais dificuldade em trazer uma dose saudável de espontaneidade e caos ao processo criativo como um todo.

A consequência é que, quando eles tentaram replicar tal experiência no álbum No Line on the Horizon, de 2009, eles simplesmente não conseguiram. Não que seja um álbum ruim, mas ele dá a nítida impressão de que eles sentiram que haviam se tornado grandes demais pra fracassar e não conseguiram mais se deixar levar.

Mas o pior de tudo é que, desde então, a banda lançou dois álbuns recheados de grandes músicas (Songs of Innocence, de 2014, e Songs of Experience, de 2017), as quais foram (pelo menos pra mim) eclipsadas por uma triste constatação: pela primeira vez, o U2 está soando como qualquer outra coisa que toca no rádio.

A razão de eu estar abordando tudo isso é por acreditar que muito disso tem a ver com a influência desproporcional que o perfeccionismo de The Edge teve sobre esses álbuns. Sinto até que estou sendo meio duro ao escrever isso, porque eu também acho que boa parte das escolhas artísticas da banda até então haviam sido mais que justificáveis.

Mas também suspeito que, se eu fosse um garoto de 11 anos hoje (como eu era quando vi pela primeira vez o clipe de “Staring at the Sun” na MTV), eu provavelmente não ligaria muito pro U2. Não porque eles estão se esforçando demais (isso eles sempre fizeram), mas porque agora eles estão se saindo melhor do que antes.

Torço pra que, como diz a letra da última música do seu (ridiculamente menosprezado) álbum de 1997, Pop, ainda seja possível rebobinar tudo como se fosse um toca-fitas (Songs of Ascent, mais alguém?). Mas a cada ano que passa isso vem se tornando uma possibilidade mais remota no meu coração.

U2 apoia livro sobre alimentos que curam!

U2 apoia livro sobre alimentos que curam!

Presente na cerimonia de entrega do prêmio Nobel de medicina este ano, The Edge apoia diversas pesquisas médicas relacionadas com a cura através dos alimentos. Desde que sua filha mais nova, Sian, foi curada de um tipo agressivo de leucemia em 2006/07, Edge se aproximou de alguns médicos e pesquisadores relacionados com o tema. Ele apareceu esta semana com um livro nas mãos e fomos procurar saber sobre o que se tratava.

Trata-se de Eat to beat disease , do Dr. William Li. O médico fala especificamente sobre um processo conhecido como Angiogenese, que atua diretamente em tumores cancerígenos, segundo a tese.


A Angiogenese faz com que veias e vasos nasçam saudáveis e ajudem o corpo a permanecer funcionando normalmente. A técnica revela um processo que impede a irrigação necessária para o crescimento das células cancerígenas e o livro demonstra que existem alimentos específicos que ajudam a derrotar a doença.

Da maneira similar, ele auxilia a cura de outras doenças importantes que matam milhares de pessoas em todo o planeta, como aquelas relativas ao coração. Ou seja, pode ser algo que vai revolucionar os estudos sobre doenças que atingem muitas pessoas no mundo.

Mas o que tem o U2 a ver com isso? A banda apoia a fundação que realiza as pesquisas no setor e tem seu nome citado no site da entidade como um dos principais financiadores dos estudos.

Nós como fãs, ficamos orgulhosos porque, indiretamente, também estamos financiando este estudo através da compra de material oficial da banda e dos ingressos dos shows.

Vale ou não à pena ser fã do U2?

Se beber vinho faz bem, então é melhor começar a aproveitar….

Colaborou: Luciana Pavanelli

Vídeos inusitados do U2 #U240

Vídeos inusitados do U2 #U240

screenshot_1
U2 em traje de gala!

De vez em quando, eles aprontam alguma coisa bem engraçada ou diferente…

Aqui vai uma listinha com vídeos inusitados da banda:

10 coisas que o U2 aprendeu – David Letterman

U2 no Metrô de Nova Iorque com Jimmy Fallon

Larry quase sendo preso – de verdade – pela policia alemã

Esquete de humor para TV Irlandesa com Bono e Larry

Larry em comercial sobre o vírus HIV

Primeira aparição na TV

Entrevista na época da ZooTV

Primeira entrevista pra TV Americana

Edge testando sua guitarra

Nova moda do U2 para futuras tours – Brincadeiras

Paulo Lilla, o brasileiro que tocou com o U2 no MSG: Foi mágico!!!

Paulo Lilla, o brasileiro que tocou com o U2 no MSG: Foi mágico!!!

Screenshot_3

Paulo Lilla, 37 anos, advogado, foi o homem escolhido por Bono para tocar All I want is you no show do Madison Square Garden da última quinta feira, dia 23 de julho. Fã do U2 há quase 25 anos – “Depois de assistir Rattle and Hum” – Paulo sabe que 10 entre 10 fãs da banda irlandesa gostariam de estar em seu lugar. “Estava escrito! Foi coisa de Deus”, afirmou.

Ele nos concedeu entrevista exclusiva, direto de Nova Iorque, onde revela aos amigos do fã clube Ultraviolet sua “experiência”, as impressões sobre Bono e a banda, além de detalhar tudo o que aconteceu durante esta super aventura norte americana.

Paulo foi para Nova Iorque com a esposa, Angela, em férias programadas para coincidirem com as apresentações da banda. Lá encontrou-se com outros UVs – Cristianne Medeiros e Eraylton Neto – e assistiu um show nas cadeiras e outro – justamente este onde foi protagonista – na pista. Sua esposa, que o acompanhou nas cadeiras, não foi neste, não tinha ingresso.

Screenshot_8

Ele já tinha assistido a todos os shows que o U2 havia feito em São Paulo, mas esta foi a primeira vez que viajou para vê-los fora do Brasil. Ficou impressionado com o espetáculo visto da arquibancada: “Dá pra ver a grandeza do show, com o telão e tudo mais. Aquele telão interage com a banda o show inteiro, faz parte do espetáculo. Quem tá na pista perde muito isso”, revelou.

Apesar disto, prefere a pista porque “Há uma interação incrível entre público e banda! Bono tem um carisma incrível! Consegue unir a galera”. A ideia de levar o cartaz veio do fato de ver outros serem chamados: “Vi que ele chamou pessoas pra tocar em vários shows. Estão interagindo muito mais com o público, dado o clima mais intimista dessa turnê, então resolvi arriscar… Fiz um cartaz mequetrefe, feio pra caramba, porém grande. Feio, mas eficaz! Fiz a mão, com canetinha mesmo”, brincou.

Screenshot_7

A seguir, vocês vão ler o relato da aventura vivida por Paulo, em primeira pessoa. Tudo o que ele viveu, sentiu e consegue expressar com palavras, já que é impossível descrever de forma racional tamanha emoção.

 

“Quando o Bono foi ao palco e parou na minha frente, levantei o cartaz. Não fiquei com ele levantado o tempo todo pra não atrapalhar o pessoal que estava atrás. Bono viu, leu, e fez um sinal pra mim com a cabeça. Eu não disse nada… Apenas levantei o cartaz e olhei fixamente para ele, sorrindo. Como se eu estivesse falando com os olhos.

Quando ele fez o sinal pra mim, achei que minhas chances tinham aumentado. Aí o show seguiu e mantive o cartaz abaixado. Fiz várias fotos e videos bacanas, já que a posição era privilegiada. Quando a banda veio ao palco B e tocou Mysterious Ways, o sonho começou…

Bono puxa uma colombiana pra dançar com ele e filmar pelo celular. Quando vi que tocaram Sweetest Thing achei que não teria mais chances, pois normalmente chamam pra tocar Desire ou Angel of Harlem. Nenhuma das duas foi tocada. Ai veio Every Breaking Wave.

Nesse momento, eu já me conformava que não iria rolar. Quando acabou, ele disse algo no ouvido do Edge. E veio em minha direção, perguntando quem era o cara que tocava guitarra. Eu levantei a mão e mostrei o cartaz. Ai, ele perguntou se eu sabia tocar All I Want is You. Disse que sim. E ele me chamou…

Subi e ele perguntou meu nome e de onde eu era. Respondi e a Arena veio abaixo. Ele disse para eu conferir a afinação com Edge. E comecei a tocar os primeiros acordes. Meio improvisado. Comecei a tocar, mas não tinha retorno… Eles ficam com um retorno no ouvido para conseguirem se ouvir.

Eu não conseguia ouvir o que estava tocando. E Bono foi ditando o ritmo pra mim. Com os pés e com as mãos. Dá pra ver no vídeo. Eu estava anestesiado… Foi difícil me concentrar, mas não podia fazer feio diante de 30 mil pessoas no MSG, né? Olhei pro Edge e ele piscou pra mim…

Bono estava concentrado, vendo se eu entrava no ritmo direito. Aí veio o riff do refrão. Fiz direitinho. Ele fez um sinal e a banda entrou. Com a bateria ficou mais fácil entrar no ritmo certo. E Bono relaxou e começou a cantar mais solto…

Eu comecei a flutuar pelo palco pra curtir o momento… Olhava para as pessoas em volta, olhava o pessoal nas cadeiras… Um sonho!

O Bono olhava fixamente nos meus olhos e eu olhava nos dele. Como se houvesse uma comunicação por telepatia. Fiquei impressionado, como ele é baixinho… Mas é uma figura abençoada, um ser iluminado! Impressionante!

Ele viu que eu estava cantando e aproximou o microfone para eu cantar com ele a parte final em que ele grita All I Want is You seguidamente… No final, pediu pra eu dedilhar o violão. Coloquei a palheta na boca e fiz com os dedos pra não ter perigo de errar… Ele veio com aquele snippet de improviso enquanto eu dedilhava.

E olhava pra mim fixamente, nos meus olhos. Eu sorria e agradecia! Então a musica acabou e ele me reverenciou se inclinando pra baixo. Fiz o mesmo! Então veio me abraçar… Abraço forte, carinhoso… Ficamos assim e ele não disse uma única palavra… Enquanto ele me abraçava, começou a tocar With or Without You. Disse pra ele que essa era a musica da minha vida…

Nesse momento, agradeci, fiz graça dizendo que achava que era o primeiro brasileiro a tocar com o U2 (depois lembrei que o Seu Jorge já tinha tocado). Disse que eles eram meus ídolos! E não lembro mais o que falei… Eu estava em transe…

Ele me levou até a escada, fui tirar o violão para entregar pra produção. Mas ele então fez um sinal pra eu parar e disse: “that belongs to you” (isso pertence a você)… Aí, não acreditei… Quase chorei de emoção… Ia pedir pra ficar com a palheta… A produção veio dizer que guardaria o violão até o fim do show…

 

11778004_1093477487347248_153003295_n
Foto by Paulo Lilla

11798446_1093477440680586_1767138515_n
Foto by Paulo Lilla

 

E virei celebridade…  Todo mundo queria me abraçar, me conhecer, tirar foto… E o Dallas veio me trazer a viola no case do Edge. Não resisti e tirei fotos com ele. E a galera atrás, querendo tirar foto comigo! Não conseguia sair do MSG. Todo mundo vinha pedir pra tirar foto, conversar…

Uns achavam q tinha tido ensaio, que foi armado! Foi tudo improviso que partiu da genialidade do Bono, de sentir que aquele momento valeria a pena! Mas sei que me comuniquei com ele com os olhos. É difícil de explicar com palavras…. Foi mágico!”

Screenshot_5

Screenshot_6

Paulo, que tinha Juzinha UV como amiga e por isso se juntou ao fã clube, mandou um belo recado para todos os que ainda sonham em passar pela mesma experiência que ele:

“Espero ter representado bem a UV! E nunca desistam de seus sonhos! Tudo é possível, até o impossível!”

Alguém aqui ainda duvida?

Screenshot_1

Vejam o vídeo com a apresentação:

Outro ângulo:

Paulo Lilla fez tanto sucesso que concedeu entrevista ao canal GloboNews, direto de Nova Iorque, contando a surreal aventura. Teve seu nome citado também no site oficial do U2.

Ficou curiosa com o presente? Dá uma olhadinha nas fotos do violão que o Paulo nos mandou…

11721928_1093565957338401_1775451204_n
Foto by Paulo Lilla

11798312_1093566140671716_357626137_n
Foto by Paulo Lilla

11798491_1093566157338381_625633258_n
Foto by Paulo Lilla

11798572_1093566307338366_1468695786_n
Foto by Paulo Lilla

11798189_1093566744004989_1881488834_n
Foto by Paulo Lilla

11778142_1093566160671714_195046793_n
Foto by Paulo Lilla

11212475_1093566557338341_1851367634_n
Foto by Paulo Lilla

11721398_1093566877338309_402899041_n
Foto by Paulo Lilla

11791664_1093566880671642_538908080_n
Foto by Paulo Lilla

11721821_1093566870671643_618427668_n
Foto by Paulo Lilla

11802031_1093566894004974_138822700_n
Foto by Paulo Lilla

 

Parabéns. Paulo!!! Você merece!

“Ele fez o impossível possível,” diz Edge sobre Mark Fisher

“Ele fez o impossível possível,” diz Edge sobre Mark Fisher

O guitarrista The Edge falou sobre a morte de Mark Fisher, o inovador designer de palcos, arquiteto e amigo da banda. Fisher trabalhou com o U2 por mais de vinte anos.

markfisher-edge

“A visão e genialidade de Mark Fisher era sua capacidade de traduzir sonhos em realidade. Com seu talento e paixão, ele criou projetos que nunca falharam mesmo empurrando o conceito ao limite absoluto. Ele fez o impossível possível. E sempre era lindo.

Mark era um membro muito amado da família U2 e todos nós iremos sentir muita falta dele. Nossos pensamentos e orações estão com sua família.”

Fonte: U2 / Foto: Steve Humphreys

Por Fernanda Bottini

Peter Rowen fotografa Edge no estúdio

Peter Rowen fotografa Edge no estúdio

edge-bypeterrowen

O menino das capas dos álbuns Boy, War, The Best of 1980-1990 é atualmente fotógrafo.

Peter Rowen revelou hoje em seu blog que fotografou o U2 no último final de semana, mais precisamente no estúdio onde a banda está trabalhando no novo disco.

Ele ainda disse que o álbum do U2 deve sair até o final do ano.

A foto do Edge faz parte de uma sessão de retratos, na qual Pete está trabalhando e que será exposta em uma exposição que ficará pronta antes do final de 2013.

Ainda não sabemos se novas fotos do U2 farão parte desta exposição e se, possivelmente, Pete será o responsável pelas fotos do novo álbum. Julian Lennon, que também é fotógrafo, já tirou algumas fotos da banda em estúdio, há uns dois anos, e disse que poderia trabalhar com o U2 novamente.

Visite o Blog do Pete

Por Fernanda Bottini