Categoria: Matérias

Tudo o que você pode e não pode levar para o Morumbi! E muito mais!

Tudo o que você pode e não pode levar para o Morumbi! E muito mais!

 

Olá, amigos UVs e UVas

Agora tá bem pertinho… E é por isso que resolvemos, mais uma vez, tentar ajudar os fãs que vão realizar o sonho de ver nossa banda favorita in loco pela primeira vez. Com a experiência que muitos de nós possuem por ter assistido a vários shows anteriores no Morumbi, vamos tentar auxiliá-los como fizemos quando as apresentações foram anunciadas e demos dicas de como comprar os ingressos (e mesmo assim foi angustiante e traumático).

São dicas de quem já foi na Pop, Vertigo e 360º Tours, conhece bem o Morumbi e adjacências e pode auxiliar com detalhes que até mesmo moradores de São Paulo talvez não saibam. Vamos a elas?

ALIMENTAÇÃO

 

É preciso ter muito cuidado com este assunto, se você se descuidar pode passar mal e acabar nem assistindo ao show. Já pensou? Perder a oportunidade de realizar um sonho por causa disto? Não subestime a sua fome! Tome um café da manhã bem reforçado no dia do show, leve alimentação para as filas e pra dentro do estádio, caso você vá ficar na pista. É difícil conseguir sair do lugar e voltar depois. Aconselhamos a levar de casa.

Pode entrar:

Frutas (cortadas, em gomos ou pequenas como uvas)

Chocolates

Água (apenas em copo)

Sucos e achocolatados (embalagem tetrapak)

Biscoitos

Barras de cereal ou proteína

Sanduíches embalados um a um – sem maionese – papel laminado

Salgadinhos tipo batata frita ou doritos lacrados

Não pode entrar:

Frutas inteiras (inclusive maçã)

Bolos e salgados caseiros (empadão, tortas, etc)

Bebidas em lata

Cachorro quente

Água ou suco em garrafa (squeezes e canecas térmicas)

QUER COMER? PERGUNTA NO POSTO IPIRANGA!

São Paulo tem uma fiscalização bem apurada, por isso não pense que vai encontrar vários ambulantes ou pessoas vendendo bebidas de forma improvisada facilmente. A região do entorno do estádio Cícero Pompeu de Toledo é extremamente residencial, Para conseguir achar locais onde se alimentar é preciso caminhar um bom pedaço, seja subindo as ladeiras laterais ao estádio para acessar a Av. Giovani Gronchi ou seguindo em frente ao Morumbi, ultrapassar a praça Roberto Gomes Pedrosa e mais em frente, pela Av, João Saad, encontrar um posto de gasolina onde existe uma lanchonete Subway e uma cafeteria Starbucks.

Veja o mapa completo clicando aqui:

Neste app/site você pode encontrar ótimas opções para comer em toda São Paulo, longe do Morumbi e adjacências, caso queira conhecer a cidade.

 

OBJETOS DIVERSOS

A grande dúvida entre os fãs costuma ser sobre máquinas fotográficas e Power Banks (os famosos carregadores de celular). Sobre este último, absolutamente nada foi dito em relação a uma possível proibição, o que nos faz crer que a entrada no estádio não seja proibida. Quer uma dica? Leve tudo em um mochila ou bolsa bem pequenas, que dê para vistoriar rápido na fila. Vejamos a lista

Pode entrar:

Celulares

Mochilas pequenas

Máquinas fotográficas amadoras, digitais ou analógicas

Binóculos pequenos

Casacos

Capas plásticas de chuva

Não pode entrar:

Guarda chuva

Máquinas fotográficas e filmadoras profissionais – não pode trocar a lente

Pau de selfie

Livros – Sim!!!

Revistas

Jornais

Cartazes de papel

Rolos de papel

Bandeiras  e faixas – costumam apreender, mas alguns espertos entram com elas escondidas

Armas de fogo, facas e tesouras – ( dããããnnnn )

Capacetes, correntes, cinturões e pingentes grossos, qualquer acessório que possa causar ferimento.

Qualquer objeto de vidro que possa quebrar e ferir terceiros

BANHEIROS

Para quem vai de arquibancada, existem diversas opções de banheiro disponíveis, para mulheres e homens, em todos os andares do estádio. Para quem vai na pista e quer ficar na frente, o melhor conselho é controlar a quantidade de líquidos. beber muito pouco após o almoço e depois de abertos os portões, controlar ainda mais. Devem colocar alguns banheiros químicos na pista, mas você vai demorar MUITO tempo para ir e voltar e pode até se desencontrar dos amigos.

Do lado de fora do estádio, algumas casas oferecem acesso ao banheiro mediante pagamento. A prefeitura deve colocar banheiros químicos também em espaços mais afastados das ruas principais. Deixe as comemorações para o final do show, é muito melhor!

Não aconselhamos, mas muita gente que fica na grade apela para remédios que ajudam a reter líquidos e até mesmo para fraldas geriátricas (acredite!). Fica a critério de cada um. Consulte seu médico. 😛

PORTÕES DE ACESSO

Superior 1 – Portão 5

Superior 2 – Portão 5

Superior 3 – Portão 16

Superior 4 – Portão 16

Inferior A – Portão 3

Inferior B – Portão 17

Pista A – Portão 2

Pista B – Portão 4

Pista C – Portão 18

Arquibancada 1 – Portão 6

Arquibancada 2 – Portão 6

Arquibancada 3 – Portão 15

Arquibancada 4 – Portão 15

PNE Pista – Portão 17

PCD Inferior – Portão 17

Confira a ilustração abaixo:

Mapa portões Morumbi

ESTACIONAMENTO

Existem vagas no complexo World Trade Center, nos pisos G2 e G3, com traslado para o estádio. Quarenta reais por veículo, preço único. Reservas antecipadas:  (11) 3043-7132 / (11) 3043-7133 / (11)3043-7134. Se você quiser estacionar na rua – por sua conta e risco – deve escolher ruas bem afastadas do estádio para não correr o risco de ser multado ou guinchado. O ideal é escolher os meios de transporte público disponíveis e estar disposto a fazer uma caminhada grande, sobretudo no final do show.  Embarque nos ônibus e diversos serviços de táxi da capital paulista.

 TRANSPORTE

Separamos abaixo alguns links que têm sugestões de como chegar no estádio do Morumbi utilizando transporte público.

Mapas do metrô de São paulo:

Simulador que permite você colocar de seu ponto de partida até o estádio.

Ou

pelo app

Aplicativos de táxis e similares

Táxi – IOS / Android / Windows

Uber – IOS / Android / Windows

Cabify – IOS / Android

  • Clique aqui para obter um desconto!

 

DICAS FINAIS – Não saia de casa sem!

Capa de chuva

Sapato e roupas confortáveis

Dinheiro trocado

Cartão

Documento

Comida saudável

Bebida

Celular com bateria extra

Ingresso

Marque um ponto de encontro próximo ao Morumbi, caso se perca dos amigos.

DIVIRTA-SE COM O MAIOR SHOW DO MUNDO!!!!!

 

Para maiores informações:

http://premier.ticketsforfun.com.br/

 

Estamos abertos a sugestões!

Fontes: UVs e UVas, Midiorama, SPTrans, Google

Colaborou: Sandra Sorlino, Mari Carla Giro, Alê Martins, Fernanda Alves e Ana Vitti

Um Brasileiro Visita a Joshua Tree Tour na América!

Um Brasileiro Visita a Joshua Tree Tour na América!

 

Por: Paulo Lilla

Fui com amigos acompanhar shows da “The Joshua Tree Tour 2017”, do U2, nos Estados Unidos, justamente o país que serviu de inspiração para a criação deste álbum fantástico, verdadeira obra prima do U2 que está completando 30 anos e que levou a banda ao estrelato. Desde o anúncio da tour, fiquei ansioso para ver a execução do Joshua Tree na íntegra, ao vivo, oportunidade única para um fã “raiz” como eu, que acompanha a banda há 25 anos. Optamos por assistir aos shows na Filadélfia e em Washington e, assim, aproveitar a oportunidade para encontrar amigos queridos que estão morando na região.

Passarei a relatar a seguir essa experiência única e incrível!

Organização: da compra dos ingressos à entrada no estádio

O primeiro ponto que vale destacar aqui é a boa organização do evento, desde a compra dos ingressos até a entrada no estádio, bem diferente do que temos visto no Brasil. Comprei meu ingresso facilmente pela Ticketmaster norte-americana usando meu código de pré-venda do site oficial do U2 e um cartão de crédito brasileiro. Eles ficaram armazenados no próprio cartão de crédito, intransferíveis. Para entrar no estádio, bastaria passar o cartão de crédito na catraca. Comprei para alguns amigos, eles precisariam entrar comigo. O resultado é a redução da atuação de cambistas, que ficam sem poder vende-los a preços absurdos.

Chegamos ao Lincoln Financiale Field, na Filadélfia, para fazer check-in na fila. Essa é outra peculiaridade dos shows fora Brasil. A primeira pessoa a chegar no local do show “ganha”o direito de organizar a fila. Isso mesmo, a fila é organizada pelos próprios fãs, e não pelos organizadores do evento. Na medida em que as pessoas vão chegando, fazem check-in, recebem um número correspondente à ordem de chegada que é marcado em sua própria mão e no caderninho do organizador da fila. Em seguida, a pessoa é dispensada e só precisa retornar nos horários combinados, um pela manhã e outro à noite. No dia do show, é necessário chegar às 6h da manhã para a última checagem. Por volta das 8 horas da manhã, os organizadores do evento distribuem pulseiras com um número que obedece a ordem de chegada. A partir de então, todos são dispensados e orientados a retornar apenas por volta das 14 horas, dessa vez já para aguardar a abertura dos portões. Não, ninguém monta barraca e dorme na fila, como acontece no Brasil. Na Filadélfia, eu era o número 33 na fila e, em Washington, o número 65. Logo soube que conseguiria garantir a grade!

A entrada no estádio foi bastante tranquila, tanto na Filadélfia como em Washington. Passamos os nossos cartões de crédito e entramos tranquilamente. Em seguida, fomos revistados pelos seguranças, sem qualquer transtorno. Uma vez dentro do estádio, antes de abrirem o acesso para a pista, formamos novamente uma fila de acordo com a ordem de chegada (segundo o número em nossas pulseiras) e aguardamos sentados e tranquilos. Finalmente a pista é liberada e somos orientados a entrar em fila indiana, devagar, sem correr. Qualquer um que tentasse correr poderia ser parado pelo segurança. Foi dessa forma, calmamente, que chegamos em nossos lugares. Na Filadélfia, alguns conseguiram correr e acabaram passando na frente de quem havia chegado primeiro. A situação foi prontamente corrigida no show seguinte. No vídeo abaixo, é possível ver a entrada tranquila em Washington.

Conseguimos ficar grade!

Como já imaginávamos, conseguimos ficar na grade nos dois dias. Na Filadélfia, optamos por ficar na grade do palco B, perto da bateria do Larry. Foi incrível! Na primeira parte do show a banda fica lá até subir para o palco A, quando o telão acende e começam a tocar o álbum The Joshua Tree na íntegra. A vantagem desse lugar é que você vê a banda de pertinho em alguns momentos ao mesmo tempo em que tem uma visão ótima do espetacular telão, que é um show à parte com suas belas imagens em alta resolução.

Já no show de Washington optamos por ficar na grade do palco A. A vantagem deste lugar é que a banda fica no palco A durante a maior parte do show, principalmente durante a execução do álbum The Joshua Tree. O palco é um pouco alto, mas é possível ter uma boa visão da banda. O ponto negativo é que a visão do telão fica um pouco prejudicada, mas é possível ver as imagens bem de perto, no detalhe. Achei que valeu muito a pena ver o show na grade do palco A, é uma experiência única! Recomendo assistir a um show no palco B e a outro no palco A, como fizemos. Para quem assistir apenas um show, recomendo que fique próximo ao palco B, pois ao mesmo tempo em que terá a oportunidade de ver a banda de perto em alguns momentos, poderá contemplar o espetáculo visual proporcionado pelas imagens em alta resolução proporcionadas pelo telão.

O show

Primeiramente, é importante destacar que esta é uma tour bastante diferente do que estamos acostumados em se tratando de U2. Os shows não têm musicas novas, como vimos na 360º no Brasil. A proposta é homenagear o álbum The Joshua Tree, que é executado na íntegra ao vivo. Só isso já vale o espetáculo para o fã mais fanático. Ao tocar sua obra prima, o U2 dá um presente especial para os fãs mais apaixonados que sempre acompanharam a banda. Por outro lado, alguns hits ficam de fora da apresentação, o que pode desagradar aqueles fãs de ocasião, que realmente buscam um show mais convencional, apenas com músicas conhecidas.

O show é dividido em três partes, sendo a primeira representando o início da banda. Na segunda parte o álbum The Joshua Tree é executado na íntegra. Já a terceira e última parte, ele representa o período pós-The Joshua Tree, mais precisamente os anos 90 e 2000.

Na primeira parte do show, a banda toca no palco B seus sucessos anteriores ao The Joshua Tree. E o faz de maneira mais rudimentar, sem o telão, como nos velhos tempos em que o U2 tocava em pequenas arenas. Larry é o primeiro a entrar, caminhando para o palco B, senta em sua bateria e começa a tocar o clássico Sunday Bloody Sunday, do álbum War. Em seguida, The Edge se junta a ele, entoando o riff inconfundível desse grande hit. Bono é o próximo a entrar, seguido de Adam Clayton. Pode até parecer estranho o U2 abrindo um show com Sunday Bloody Sunday, mas funciona muito bem. Logo após, a banda toca New Years Day, outro grande clássico do mesmo álbum.

Em seguida, somos presenteados com Bad, uma das preferidas dos fãs mais fiéis da banda. Na parte final da música, as luzes se apagam e é possível ver apenas as luzes dos celulares preencherem todo o estádio, como uma constelação de estrelas ao redor da banda. Momento lindo e emocionante que contagia a todos. Bono realmente se empolga, se entrega de corpo e alma, contagiando a todos. Belíssima performance da banda. No vídeo abaixo foi possível captar esse momento incrível:

Pride encerra esta primeira parte em grande estilo. No final da canção, Bono faz um breve discurso de união em um país que saiu dividido após as eleições que levaram Donald Trump à presidência: “Da direita, da esquerda, aqueles que ficam no meio termo: vocês são bem vindos aqui esta noite. Nós encontraremos interesses comuns para alcançarmos interesses mais altos” (“From the right, from the left, those in between: you are welcome here tonight. Whoever you vote for, you are welcome here tonight. We will find common ground, reaching for higher ground”). Ao lembrar do sonho de Martin Luther King, que inspirou Pride, Bono acrescentou: “Talvez aquele sonho apenas esteja nos falando que precisamos despertar. Despertar a America da comunidade e compaixão, do protesto e da tolerância, a América da justiça e da alegria” (“Maybe the dream is just telling us to wake up. Awaken the America of community and compassion, protest and tolerance, the America of justice and joy”). Belas palavras que cabem muito bem para o atual momento que vivemos no Brasil.

Após Pride, as luzes do telão se acendem e vemos a sombra da árvore de Josué grandiosa sob as luzes vermelhas do imenso telão. As primeiras notas do inconfundível órgão de Where the Streets Have no Name começam a soar anunciando o que estaria por vir. A banda caminha para o palco A em direção ao telão, como se este momento representasse sua subida rumo ao estrelato, proporcionada pelo fantástico álbum The Joshua Tree. A banda se junta ao lado da árvore e ouvimos os primeiros acordes inconfundíveis da guitarra de Edge. Quando Bono começa a cantar Streets, o imenso telão passa a mostrar a que veio. As imagens em alta resolução são incríveis, um espetáculo à parte, muito difícil expressar em palavras. Nem as imagens de vídeo são capazes de captar com exatidão toda essa beleza e grandiosidade. Só estando no show para ter a ideia exata do que estou falando. As belas imagens, em sua maioria de autoria de Anton Corbijn, fotógrafo oficial da banda desde os anos 80, dão uma nova cara às canções do álbum.

Após Streets, a banda continua tocando sua obra prima na íntegra e o telão segue exibindo as belas imagens de Corbjn. Still Haven’t Found What I’m Looking For, With or Without You, Bullet the Blue Sky e Running to Stand Still. Início avassalador! Em seguida, Red Hill Mining Town em nova versão com Edge ao piano. Nas imagens do telão, a banda do Exército da Salvação toca os metais acompanhando a música. É de arrepiar ver ao vivo essa pérola do álbum The Joshua Tree, que nunca havia sido executada pela banda antes dessa tour. Música linda em versão belíssima e empolgante. Um presente para os fãs!

Em seguida, In God’s Country mantém a mesma pegada de 30 anos atrás, mas dessa vez um pouco mais lenta, com belas imagens da Joshua Tree ao fundo em diferentes cores. A sequência continua com Trip Through Your Wires. Curioso que durante a execução dessa música, o telão mostra imagens de Morleigh Steinberg, esposa do Edge, exuberante em figurino cowgirl, pintando a bandeira dos Estados Unidos em um casebre no deserto. Para quem não sabe, Morleigh fazia a dança do ventre em MysteriousWays, durante a Zoo TV Tour em 92 e 93. Edge não resistiu aos seus encantos e acabou se casando com ela.

A banda passa a tocar One Tree Hill, sobre a qual Bono lembra que foi composta em homenagem ao neozelandês Greg Carrol, roadie e amigo da banda, morto num trágico acidente de moto, em 1986, quando o The Joshua Tree estava no auge de seu processo criativo.

Sem dúvida, o ponto alto do show é a performance de Exit, uma das canções mais sombrias do U2, pesada e poderosa. Para introduzir a música, uma crítica indireta e sutil ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O telão mostra trechos da série de TV norte-americana Trackdown, passada nos anos 50, cujo personagem, coincidentemente denominado Trump, anuncia o fim do mundo para os habitantes de uma comunidade, sugerindo que ele seria capaz de construir um muro ao redor das casas daquelas pessoas como forma de proteção para a suposta catástrofe que viria naquela noite. Um charlatão que busca o domínio através do medo. Coincidência ou não, o Trump atual se vendeu como salvador da pátria para vencer as eleições presidenciais e o mote de sua campanha era justamente a construção de um muro na fronteira dos Estados Unidos com o México para conter a imigração latino-americana,  que na visão de boa parte do povo norte-americano, poderia ser equiparável ao fim do mundo… Voltando ao show, Bono sobe ao palco usando um chapéu, incorporando um personagem que ele próprio denominou de “Shadow Man” (Homem Sombra), pregando ilusões em uma performance alucinante. Toda a plateia vibra com as imagens do telão e o show de luzes que se vê nas partes mais empolgantes da canção, enquanto Bono faz seus movimentos de Shadow Man em direção à câmera, pedindo para colocarmos nossas mãos na tela… Fantástico!

Finalmente, a banda fecha o álbum The Joshua Tree com a canção Mothers of the Disappeared. No telão surgem vultos das Madres de Plaza de Mayo. Essas imagens remetem à célebre performance da banda na Argentina e no Chile durante a PopMart, em 1998, quando as elas subiram ao palco com o U2. Como se sabe, esta bela canção foi inspirada nessas mães que tiveram seus filhos desaparecidos nas violentas ditaduras argentina e chilena nas décadas de 60 e 70. Como nos célebres shows da PopMart, Bono canta “el pueblo vencera” na parte final da canção. Outro momento memorável. E assim acaba a execução do álbum The Joshua Tree na íntegra.

A banda segue o show tocando seus sucessos pós-The Joshua Tree. A impressão que dá é que ainda não encontraram o melhor formato para essa parte final.  Em Washington, eles iniciaram essa última etapa com Miss Sarajevo. No telão, vemos as imagens do campo de refugiados de Zaatari, na Jordânia, e a narrativa de uma adolescente síria, Omaima Hoshan, sobre suas trágicas experiências na guerra. O ativismo da banda, especialmente de Bono, jamais faltaria numa tour desta magnitude, ainda mais em se tratando do álbum The Joshua Tree e sua veia política. Se Miss Sarajevo fora inspirada nos horrores da Guerra da Bósnia nos início dos anos 90, agora a canção ganha um novo significado, tendo como pano de fundo a Guerra da Síria. Nas cadeiras inferiores, holofotes iluminam uma grande bandeira com a imagem de Omaima, que circunda toda a extensão do estádio. Uma gravação da voz memorável de Pavarotti em dueto com Bono, ao vivo no palco, dão o toque final à bela canção.

Em seguida, a banda toca Beautiful Day em uma versão repaginada, com uma pegada levemente eletrônica. Matizes de cores e luzes envolvem o imenso telão, servindo como pano de fundo para esta bela canção do U2.

Dando sequência à parte final do show, tocam Elevation. Os mais fanáticos torcem o nariz para essa música, considerada um hit muito óbvio e que, portanto, acaba soando um tanto quanto deslocado no show. Em Washington, Edge acabou errando a entrada da música, provocando risos do baterista Larry Mullen Jr.

Em seguida, a banda faz uma bela homenagem às mulheres em UltraViolet, uma das canções favoritas dos fãs. Do telão, vemos imagens de mulheres que cumprem ou cumpriram um papel importante na luta pela igualdade de gênero e direitos humanos. Belíssimo! No show da Filadélfia, a banda tocou MysteriousWays no lugar de UltraViolet, provavelmente em homenagem ao casal Edge e Morleigh, que fazia aniversário de casamento naquele dia.

A belíssima One é então executada após Bono fazer um discurso político contra o corte do orçamento de Trump que prejudicará o financiamento dos Estados Unidos a programas de combate à AIDS na África. Bono ressalta que essa ajuda humanitária foi um conquista bipartidária, envolvendo os dois partidos rivais, Democratas e Republicanos, mas que agora está em risco com os cortes de Trump que, segundo Bono, não representa os valores e tradições do Partido Republicano. Bono se empolgou tanto com seu discurso, que acabou errando a entrada de One. Mas ele tem crédito, a gente perdoa!

Finalmente, o show é encerrado com Vertigo, outro hit considerado óbvio pelos “fãs raiz”. Do telão, vê-se um belo espetáculo de cores vermelhas e pretas que provocam certa vertigem. Belo espetáculo! Acabamos não conseguindo ver Little Things that Give You Away, nova balada do álbum Songs of Experience, ainda não lançado, que a banda tocou no encerramento de alguns shows.

Na Filadélfia, a ordem das músicas na parte final foi um pouco diferente: Miss Sarajevo, Mysterious Way (ao invés de UltraViolet), One, Beautiful Day, Elevation e Vertigo. No final desse show, nosso amigo Neto Moreschi conseguiu o set list. Lógico que vai para a moldura, né?

O que dizer desses shows?

Para resumir a nossa experiência com esses dois show, só posso dizer que ficamos maravilhados com a performance da banda, com o imenso e imponente telão e seu show de imagens e cores e, principalmente, com o The Joshua Tree sendo executado na íntegra. Ao final do show, olhamos uns para os outros e notamos a felicidade estampada em nossas faces. A foto abaixo, tirada após o primeiro show em Filadélfia, ilustra bem esse momento:

Destaque positivo também para a organização dos shows, desde a compra dos ingressos até a entrada nos estádios.

Agora é aguardar os shows no Brasil. Provavelmente, teremos algumas mudanças no set list e possivelmente nas imagens do telão. De qualquer maneira, a oportunidade de ver o U2 tocando o The Joshua Tree na íntegra em terras tupiniquins é emocionante, já que a tour original de 30 anos atrás acabou não vindo para o Brasil. Quem conhece bem a banda e a obra prima The Joshua Tree vai vibrar, chorar, gritar, cantar as músicas e se emocionar com o show. Passaremos perrengue? Sim, mas estaremos felizes como nunca! Já os fãs de ocasião que não conhecem tão bem o U2 para além dos hits radiofônicos, terão a oportunidade única de ver esta verdadeira obra prima, o The Joshua Tree, executada na íntegra ao vivo. E certamente o U2 ganhará novos fãs, aquelas pessoas que vimos saindo boquiabertas do estádio, impressionadas com a grandeza da maior banda do planeta. Ah, mas não seria pelo telão? Pode até parecer que sim, mas a verdade é que o telão é muito pequeno perto da grandeza do U2 e de sua obra repleta de canções que tocam a alma e o coração.

 

 

  • Todos os vídeos e fotos by Paulo Lilla, exceto Ultraviolet, by Ju Sarda, e With or Without You, by Márcio Artacho Frugiuele
Livro U2 by U2

Livro U2 by U2

O livro U2 by U2 nunca foi lançado em português, no Brasil, os fãs da lista e do fórum Ultraviolet, logo após o lançamento da edição com capa dura, em 2005, se reuniram num grande mutirão e realizaram uma tradução coletiva das centenas de páginas da publicação.

 

Se você quiser comprar a edição original, em inglês, com capa dura, compre aqui.

Se você quiser comprar a “edição de bolso”, em inglês, mas sem fotos, clique aqui:

Se você ler o conteúdo, na tradução feita por UVs, clique aqui:

 

 

O dia do vinil! Você tem algum do U2?

O dia do vinil! Você tem algum do U2?

Por Mari Carla Giro 

Disco novo ou velho? Não importa, se você é fã do vinil, saiba que o 20 de abril é um dia dedicado a ele! E tem U2 na lista dos 20 discos de vinil mais raros (e caros) do planeta.

Em novembro passado, o site europeu de entretenimento NME.com publicou lista dos desejados discões. O vinil Pride (In The Name Of Love), numa versão transparente, limitada, prensada em 1984 na Austrália, aparece na 11ª posição, com o preço de R$ 21,5 mil!!!

Raros ou não, amamos os bolachões. Compartilha com a gente um vinil seu do U2 para comemorar!

 

Vinil australiano raro do U2 via U2Kite.com
Dicas infalíveis para quem quer comprar ingressos para os shows do U2 no Brasil. LEIA!

Dicas infalíveis para quem quer comprar ingressos para os shows do U2 no Brasil. LEIA!

Apesar de ainda não termos confirmação do “oráculo”, U2.com, acreditamos que desta vez os “boatos” irão se concretizar. Vale lembrar: antes de mais nada, que devemos aguardar a oficialização no site oficial. Nada de sair comprando passagem, reservando hotel com cartão ou fazendo uma loucura. Calma!!!
Temos alguma experiência com compras de ingressos, tanto no exterior quanto aqui no Brasil, e alguns comportamentos e situações se repetem, por isso resolvemos organizar alguns pontos importantes para quem vai se aventurar neste mundo U2niano pela primeira vez.

1 – “Quero muito ir ao show do U2, mas vou comprar o ingresso mais perto da data”.
Não. Os ingressos são vendidos com muita antecedência e se esgotam rapidamente

2 – “Quem é do fã clube tem facilidade na compra”.
Não. Nós vamos “à luta” como qualquer ser humano

3 – “Tenho amigo no fã clube. Ele vai conseguir comprar ingressos pra mim”
Não. Geralmente existe uma cota de ingressos por pessoa, e os fãs de U2 costumam se organizar com muita antecedência, já destinando os ingressos da cota para outros fãs.

Então, como fazer para garantir o seu ingresso?

1 – Faça uma assinatura anual paga no U2.com. O valor para novas assinaturas é de U$ 50 (cerca de R$ 160,00) e para renovações U$ 40 (R$ 126,00).
Se tornando um assinante, você terá direito à compra no primeiro dia de abertura das vendas. Se deixar para fazer sua assinatura somente após a divulgação das datas dos shows, você só terá direito à compra no SEGUNDO dia das vendas. Se decidir não assinar, terá que tentar a sorte no terceiro dia, com venda aberta para todo mundo. Lembrando que a assinatura também dá direito a conteúdo exclusivo do site, um email com terminação @u2.com e um brinde especial e exclusivo da banda;

2 – Faça o seu cadastro completo no site que venderá os ingressos com ANTECEDÊNCIA. Cadastre inclusive o seu cartão de crédito;

3 – No dia da venda, esteja logado ANTES do horário programado. E não desista. Não adianta tentar a primeira vez, achar que não vai dar certo e desistir. Em algumas ocasiões, já chegamos a passar HORAS tentando até conseguir;

4- Peça ajuda a amigos, familiares, namorado(a). Todo mundo tentando a mesma coisa, de preferência com um cadastro diferente. Se conseguir comprar mais de uma vez, procure fãs que não tiverem a mesma sorte que você e repasse a preço de custo. Faça uma boa ação pensando no exemplo que recebemos do U2. Um UV ajuda o outro. NUNCA sobra ingresso;

5 – O mais importante: acompanhe a nossa página Ultraviolet no Facebook para as informações sobre dias dos shows, vendas e dicas diversas. Fique de olho que tá vindo uma surpresa maravilhosa…

P.S. – Cada assinatura no site do U2 dá direito a comprar 4 ingressos (meias ou inteiras), independente do número de shows. Se quiser comprar 5, faça duas assinaturas.

P.S. II – O dinheiro vai para o U2!!! Não recebemos nenhum centavo destes 50 dólares e nem cobramos nenhuma taxa de inscrição. Para participar do Ultraviolet Fan Club Brazil é só nos acompanhar via Facebook, Twitter, Instagram ou site.

P.S.III – O cartão PRECISA ser internacional para fazer a assinatura, já que o pagamento é em dólar. Ele pode ser no nome de qualquer pessoa, não precisa ser do assinante. Para comprar o ingresso, pode ser nacional ou internacional.

 

BOA SORTE!

Baterista do U2 confirma separação!!!

Baterista do U2 confirma separação!!!

O baterista e fundador da banda irlandesa U2 confirmou separação da companheira desde a época da escola, Ann Acherson, neste sábado. Boatos afirmam a cantora Miley Cyrus seria o pivô do fim do longo relacionamento, para surpresa dos outros integrantes da banda e de amigos mais próximos.

Saiba mais AQUI:

Você sabia? Bono tem alergia a poeira do deserto!

Você sabia? Bono tem alergia a poeira do deserto!

Há uma situação que não se costuma falar sobre a banda e que sempre afeta Bono ao visitar áreas desérticas. O frontman do U2 sofre uma condição que bloqueia completamente a sua garganta, pois é alérgico a ervas daninhas, em botânica chamadas de estepicursores. São plantas que vivem em áreas de estepe e são levadas pelo vento, que os transporta de um lugar para outro, de modo que as suas sementes ou frutos são libertadas e dispersas. Bono teria descoberto este problema no final dos anos noventa, quando foi realizada uma biópsia para verificar se ele tinha câncer na garganta. Ele foi diagnosticado desde a Elevation Tour, mas isso sempre o afetou quando U2 realizava visitas à cidades próximas ao deserto. Na cidade de Las Vegas, a condição é chamada popularmente de “Garganta do Deserto”.

Ninguém sabia disso quando os irlandeses começaram a percorrer as estradas do mundo no início dos anos oitenta. Bono não percebeu quando cantou em lugares pequenos e fechados, mas quando a banda cresceu em popularidade, ele teve que passar para lugares maiores, claramente quando o U2 começou a turnê de Joshua Tree, em Tempe, Arizona. O centro de atividades na Universidade do Arizona é um local que pode abrigar 15.000 pessoas. A banda (em homenagem ao conceito do álbum), planeja abrir sua turnê – 2 e 3 de Abril – neste local, localizado a poucos quilômetros da cidade desértica de Phoenix.

Estouro

Os membros do U2 entraram no palco enquanto a introdução gravada de “Where The Streets Have No Name” soou nos alto-falantes. Bono saiu acenando para começar a cantar os versos de abertura. Mas, quase imediatamente, ele fez uma careta de dor e a garganta se fechou. A voz não saiu de sua boca. Valentemente, ele tentou chegar até as notas mais altas, mas finalmente teve que aceitar que sua voz não era mais que um sussurro quase inaudível. Por esta razão, a então canção número um “With or Without You” não estreou na primeira noite da turnê em 1987, porque o esforço tinha derrubado a voz cansada de Bono. Neste concerto, The Edge assumiu o setlist da apresentação.

10 anos depois, no “Boyd Stadium Sam” em Las Vegas, Nevada, o U2 começou a turnê Pop Mart e novamente Bono teve problemas vocais e adicione-se o fato de que muitas músicas ainda não estavam bem ensaiadas ao vivo. A banda atuou em um de seus piores concertos de sua história. A “Maldição do Deserto” atacou Bono impiedosamente durante todo o show e a banda não apresentou as novas músicas ao vivo.

O U2 começou a ensaiar apenas uma semana antes do início da turnê. As canções não poderiam encontrar um lugar no set list. A tensão e a insegurança são sentidas no ar e, por este motivo, o setlist é modificado constantemente todas as noites. Há apenas 48hs da estreia, eles simplesmente não sabiam que setlist iria ser tocado. No dia do concerto, 37 mil pessoas, a banda começou com MOFO e foram capazes de manter vivo o show até a terceira música, quando começaram “Even Better Than The Real Thing” e a alergia maldita atacou Bono. Ele tinha que seguir o concerto com uma voz reduzida e a banda não soava completamente entrosada, (especialmente nas canções mais novas), U2 chegou ao final da apresentação sofrendo com dignidade. Este fato afetou a banda, o próximo show em San Diego, é citado como o início real da turnê e com um público e os jornalistas muito críticos em relação às apresentações anteriores.

Original do U2 Valencia.

 

Conhecendo a Irlanda: A viagem dos sonhos de todo fã!

Conhecendo a Irlanda: A viagem dos sonhos de todo fã!

Não existe um fã do U2 que nunca tenha sonhado em conhecer a terra sagrada que gerou Larry, Bono, Edge e Adam. Muitos já conseguiram realizar este sonho e outros ainda mais sortudos conseguirão voltar, para a Joshua Tree Tour, ainda em 2017.

A nossa amiga Maria Teresa Menegassi da Rosa – UV das antigas, uma das pessoas que mais colaboraram com o fã clube desde que eramos apenas uma lista de e-mails – fez uma guia básico para que todo fã, marinheiro de primeira viagem, possa conhecer os principais lugares da história da banda. Coisa de quem conhece a fundo a história do U2 e é extremamente generosa em compartilhar com os fãs mais novos.

Vejam só o roteiro que ela preparou para quem vai à Irlanda e quer conhecer tudo de mais importante na cidade de Dublin e regiões próximas, que fizeram e fazem parte da trajetória de sucesso de nossos fab4.

 

16 LOCAIS NA IRLANDA LIGADOS À HISTÓRIA DO U2
Por: Maria Teresa Menegassi da Rosa

1) Mount Temple Comprehensive School
Endereço: Malahide Road, Clontarf, Dublin 3

https://goo.gl/maps/WZAYaZUxe2J2 (localização aproximada – Google Maps)

Escola onde os quatro integrantes do U2 (Bono, The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen Jr) estudaram e se conheceram. Foi no mural da escola, em 1976, que o baterista, Larry Mullen Jr, colocou um aviso procurando outros rapazes interessados em formar uma banda de rock. Foi nessa escola também que eles fizeram sua primeira apresentação para os outros alunos, num palco improvisado no pátio, tocando um set de covers de Peter Frampton e Bay City Rollers.

 

    

 

2) Antiga residência da família Mullen
Endereço: 60 Rosemount Avenue, Artane, Dublin

https://goo.gl/maps/DCfXM4jnqk42  (localização aproximada – Google Maps)

Foi o local do primeiro ensaio dos rapazes que aceitaram o convite colocado no mural da escola Mount Temple por Larry Mullen Jr. Desse encontro, que aconteceu na cozinha da casa, nasceu o U2. Da jam session, que aconteceu em 25 de setembro de 1976, participaram seis rapazes, sendo que quatro deles vieram a formar o U2, que gravou seu primeiro álbum em 1980.

 

 

3) Antiga residência da família Hewson
Endereço: 10 Cedarwood Road, Finglas, Dublin

https://goo.gl/maps/BnQpxin5KPu (localização aproximada – Google Maps)

Foi onde o vocalista Bono nasceu em 10 de maio de 1960, num subúrbio afastado, na zona norte de Dublin. Ele viveu nessa casa até se casar (em 1982), inicialmente com seu pai, mãe e irmão. Com a morte de sua mãe em 1974, passaram a viver ali apenas três homens tristes, em uma “casa que não era um lar”, como canta Bono na música “Sometimes You Can´t Make It On Your Own”, de 2004.

 

4) Loja de aparelhos auditivos BONAVOX
Endereço: 9 North Earl Street, Dublin 1

https://goo.gl/maps/dKHbpVd3BgN2 (localização aproximada – Google Maps)

A loja deu origem ao apelido do vocalista Bono, cujo nome de batismo é Paul Hewson. O nome em latim significa “boa voz”.
Bem no início, ele era chamado pelos amigos de Bono Vox, porém logo esse apelido foi encurtado para Bono, apenas, que ao final se transformou em seu nome artístico.

 

 

5) Estúdio Hanover Quay
Endereço: Hanover Quay, Dublin 4

https://goo.gl/maps/Nb9Ph1hrSzq (localização aproximada – Google Maps)

Estúdio atual do U2, adquirido na metade dos anos 90, localizado na região das docas, às margens do Rio Liffey. Assim como Windmill Lane, as paredes externas são cobertas de pinturas, escritos e grafitti com homenagens dos fãs do U2 de todo o mundo. Atualmente funciona mais como depósito de equipamentos da banda.

 

6) Hotel The Clarence
Endereço: 6/8 Wellington Quay, Dublin 2

https://goo.gl/maps/B9S3QhkTeku (localização aproximada – Google Maps)

Tradicional hotel boutique de Dublin, adquirido por Bono e The Edge, do U2, nos anos 90, e reformado logo a seguir, incluindo a abertura do nightclub The Kitchen no porão do hotel. Em 2000 o U2 gravou o videoclipe da música “Beautiful Day” na cobertura do hotel Clarence.
Pouco depois, o nightclub “The Kitchen” foi fechado. Recomendado é o bar do hotel, “The Octagon”, que funciona desde 1996.

 

 

7) Prisão Killmainham (Killmainham Gaol)
Endereço: Inchicore Road, Killmainham, Dublin 8

https://goo.gl/maps/KVhXtYAndTF2 (localização aproximada – Google Maps)

Famoso museu em Dublin, foi uma importante prisão durante a dominação britânica, onde os líderes do Easter Rising (Levante da Páscoa) de 1916 foram presos e executados. O U2 gravou nesse local o videoclipe da música “A Celebration”, em 1981. Recomenda-se fazer a visita guiada à prisão, programa essencial para quem quer conhecer um pouco mais sobre a história da Irlanda.

 

 

8) Estádio Croke Park
Endereço: Jones’ Rd, Drumcondra, Dublin 3, Irlanda

https://goo.gl/maps/TSQGvF3gXM92 (localização aproximada – Google Maps)

Estádio de futebol gaélico e quartel-general da GAA, Gaelic Athletic Association, inaugurado em 1913, e totalmente reformado a partir dos anos 90. O U2 se apresentou nesse estádio em diversas ocasiões, sendo a primeira em 1985, e a última em 2009. A próxima será em julho de 2017.

 

 

9) Hard Rock Café
Endereço: 12 Fleet Street, Temple Bar, Dublin

https://goo.gl/maps/jTFApfmrjhM2 (localização aproximada – Google Maps)

Decorando o hall de entrada, encontra-se pendurado do teto um dos carros Trabant, usados pelo U2 na sua turnê Zoo TV, além de diversos itens de memorabilia do U2, como letras manuscritas pelo Bono, fotos, óculos e posteres.

 


 

10) Residência do Bono
Endereço: Vico Road, Killiney, sul de Dublin

https://goo.gl/maps/EH36HPvw3Xq  (localização aproximada – Google Maps)

Famoso local de “peregrinação” para os fãs do U2 do mundo todo, a ida à casa do Bono vale também pelo passeio pela bela costa sul de Dublin. A casa (branca, na primeira foto bem à esquerda) fica na encosta de uma colina na praia de Killiney, e os famosos portões são cobertos de escritos e dedicatórias ao U2.

 

 

11) Fitzwilliam Square
Endereço: Fitzwilliam Square, Dublin 2

https://goo.gl/maps/meXiWDqAVfL2 (localização aproximada – Google Maps)

Ao redor dessa praça, em 20 de setembro de 1998, o U2 gravou o videoclipe do remake de “Sweetest Thing”. O vídeo funciona como um pedido de desculpas do Bono à sua esposa Ali por ter se esquecido de seu aniversário à época da composição da música nos anos 80. No vídeo, Bono tenta de todas as maneiras agradar à Ali, que estava sentada à sua frente em uma carruagem, trazendo pra rua um verdadeiro desfile de coisas que sua esposa, supostamente, apreciava, como elefantes, bombeiros sexy, dança irlandesa, e a banda Boyzone.

 

 

12) The Little Museum of Dublin
Endereço: 15 St Stephen´s Green, Dublin 2

https://goo.gl/maps/tVitX8dtbnS2 (localização aproximada – Google Maps)

No 2º andar há uma exposição chamada “U2 Made in Dublin”, organizada com colaboração de fãs, como raridades, fotos e artigos relacionados à história da banda.

 

13) 3Arena (ex Point Depot Theatre)
Endereço: North Wall Quay, North Dock, Dublin 1

https://goo.gl/maps/6HrrsUnUbe22 (localização aproximada – Google Maps)

O antigo teatro Point Depot foi utilizado pelo U2 nas gravações do filme “Rattle and Hum”, com performances de “Desire” e “Vand Diemen’s Land”. Na virada da década de 80 para 90, a banda levou a “Lovetown tour” ao local, em 4 shows memoráveis, incluindo o do famoso discurso de Ano Novo de 89/90 (“dream it all up again“). Em 2015, já transformado na 3Arena, o U2 ali apresentou sua “Innocence + experience Tour” em outros 4 shows memoráveis.

 

14) Chaminés da Usina Poolbeg
Endereço: 
Poolbeg península, Ringsend, Dublin

https://goo.gl/maps/iMjrSABzce92 (localização aproximada – Google Maps)

As duas chaminés listradas de vermelho e branco, com 207m de altura cada, da usina termoelétrica Poolbeg continuam fazendo parte da paisagem de Dublin, mesmo com o fechamento da usina em 2010. Elas aparecem no videoclipe de “Pride (In the Name of Love)”.

 

 

15) Moydrum Castle
Endereço: Unnamed Rd Co. Irlanda, Co. Westmeath, Irlanda

Ruínas do castelo visto na capa do álbum “The Unforgettable Fire

https://goo.gl/maps/qSbjF1tdyY62

 

16) Slane Castle
Endereço: Slanecastle Demesne, Slane, Co. Meath, Irlanda

https://goo.gl/maps/eeussBJtKvz

Metade das sessões de estúdio do álbum “Unforgettable Fire” foram gravadas no castelo de Slane. Depois disso, dois shows memoráveis aconteceram ali em 2001 e acabaram se tornando um DVD Duplo.

 

 

Caso queira nos mandar mais dicas, envie para dicas@ultraviolet-u2.com

 

N.E. – Algumas imagens foram retiradas do Google. Se você é proprietário da imagem, por favor, entre em contato conosco para que possamos dar os devidos créditos.
O primeiro artigo internacional sobre a banda. #U240

O primeiro artigo internacional sobre a banda. #U240

O incansável André Joe, do Sombras e Árvores Altas traduziu e postou em seu blog. nós reproduzimos aqui para vocês, agradecendo desde já a generosidade  de nosso amigo e parceiro.

O primeiro artigo de capa do U2 fora da Irlanda

screenshot_2

Record Mirror, 10 de Novembro de 1979
Por: Chris Westwood

“Um publicitário consciente pode se sentir obrigado a alinhar o U-2 contra a New Wave, mas os único adereços que ele teriam para isso seriam sua juventude e sua vitalidade. No entanto, se o primeiros manifestos punk são interpretados para incluir esses valores e também a música que é não facilmente categorizável, então o U-2 cabe na conta.” (Bill Graham, Hot Press)

Paul “Vox” Hewson tem 19 anos. Você chega a pensar que ele é um pouco mais velho. Suas conversas são preenchidas com ironia pensativa, estudou histórias ilustrando os pontos colocados por ele.
Há um homem que vive em uma caixa, toda a sua vida gira em torno de caixas, sala quadrada, janela quadrada, mobiliários quadrados. Ele quer escapar. Ele sobe até o topo da caixa, olha ao seu redor, sai dali. Ele pousa em outra caixa, menor e mais escura, mais opressiva. Há três outras pessoas na mesma caixa.
Esta é uma história que Paul “Vox” Hewson conta, às vezes, no palco. A história é sua percepção da ruptura do controle capitalista, as sombrias possibilidades de alternativas independentes.
E então ele vai se resignar e se questionar, perguntando se ele entendeu tudo errado. Paul “Vox” Hewson é Bono, nome de animal de estimação descartável imposto a ele em Dublin, sua cidade natal. Lá, ele comanda o U-2, simplesmente a mais evocativa e romântica nova banda de pop rock desde o auge do Penetration/Buzzcocks.
Bono é surpreendentemente profundo e carinhosamente ingênuo. Ele é um aprendiz, ele quer ser educado e conquistar. Eu acredito que o U-2 vai conseguir.
Bono é um desses tipos, cujas palavras representam a essência do espírito, aventura e determinação. Estas qualidades são inerentes a todas as músicas do U-2. É um caso de, parafraseando um colega, nunca ter uma banda em performance ao vivo, e ainda assim reconhecer seu inquestionável ar de grandeza.
U-2 está no ponto central de um atual crescimento e maturidade na música de Dublin. Os Boomtown Rats podem ter fornecido um contexto local para a região, mas sua música não serve, não para o mundo moderno. A bandas como o U-2, que em última análise, vão acabar vivendo a promessa frágil do último trimestre desta década, direto para os anos 80.
Seu crescimento tem sido constante, seguro, mas subestimado: “Ao invés de gritar, bata na porta”. diz Bono, “Eu prefiro chamar, para que as pessoas venham, olhem e pensem. Em seguida, eles podem decidir.”
Durante seu primeiro ano de existência, o quarteto (que eram 5 peças) ainda estavam na escola, tocando sob o nome The Hype, descartado mais tarde pela sua irrelevância. “U-2” foi escolhido pela sua neutralidade, sua liberdade de tendências-conotações.
“Um monte de punks nos rejeitam”, Bono explica para o público em Dublin, “e claro, como aqui, um monte de hippies nos rejeitam porque somos novos, então temos esse público peculiar, esta divisão. É por isso que o nome U-2 é ambíguo, é no meio, como uma corda bamba que estamos pisando.”

screenshot_3

Formação era algo mais adjacente à reação do que inspiração. A desilusão com o material das paradas de 1977 promoveu uma necessidade de desenvolvimento, para a formulação de uma expressão própria. Domínio e proficiência veio com experiência: com experiência, veio uma habilidade natural para envolver o público na comunhão emocional, letras e ideias.
Bono fala macio, garantindo os tons de Dublin, muitas vezes utilizando as mãos de maneira teatral para enfatizar um ponto da conversa. Ele se faz entender. Ele gosta do impulso do espetáculo de rock and roll; melhor ainda é a realidade de ser o espetáculo…
“Eu sou como o palhaço, chamando as pessoas a olhar para o palco… é como pôr um ímã para limalha de ferro, atraindo-os. E uma vez que eles estão nessa posição, você pode alimentá-los, dar-lhes o que você tem. Nós damos..–e as pessoas olham e damos tudo..–e isso pode afetar as emoções das pessoas. Recebemos um público sensível, as pessoas que estão conscientes. Você vê, eu posso ser um herói no palco, mas fora do palco, sou um anti-herói..–você me viu, eu perco minha bolsa… Eu estrago telefonemas para John Peel… então você tem esta imagem de herói, que é rock and roll, e a realidade, é onde eu encontro os fãs depois e eu não posso conversar porque fico envergonhado.”
O Bono no palco é uma extensão de Paul “Bonovox” Hewson fora do palco, a transformação. A personalidade gira em torno do mito do rock and roll; U-2 não está preservando o mito, mas questionando a separação que inflige, a falsa elevação do artista sobre o espectador. Há um calor e naturalidade no U-2 que transcende apenas a música. Bono diz: “o que procuramos são pessoas reais, pessoas que têm emoções verdadeiras, e pessoas em Dublin são na verdade bem reais. Elas não têm nenhuma pressa para chegar lá, não tem pressa para quebrar o sistema. Lá, o sistema é quebrado pela apatia. Há uma seção real do Serviço Civil que não existe! As pessoas lá sentam o dia todo, preenchendo palavras cruzadas. Irlandeses podem ser eficientes, mas eles geralmente não são. Eles estão mais interessados na vida, numa conversa, em pubs. Eles gostam de beber. Eles gostam de falar e de aprender.”
“O trânsito é muito rápido em Londres, as luzes ficam verdes e pronto, está indo. Em Dublin, vou tossir, coçar, e então ir. Tipo, Dublin está em um estado constante de âmbar.”
As características exibidas por Bono individualmente, juventude, vigor, uma consciência de desenvolvimento superando ingenuidade; são muito refletidas na música e palavras do U-2.
Um menino come uma barra de chocolate. Ele ainda tem que descobrir as emoções adolescentes. Ele come e gosta, e isto é tudo o que ele sabe. O menino é o consumidor e também o comerciante. O chocolate é o produto, alimentando ambas as partes.
Bono quer seu chocolate para chegar às lojas. Ele quer sua barra Caramac para ser comercializada e vista como tal. Ele odeia falsidade ideológica, desconfia de perfeição.
“Acredito que a beleza perfeita pode ser prejudicial. Você já notou que a garota muito bonita na escola nunca foi tudo aquilo, porque ela tem coisas atribuídas à ela? Perfeição não existe, todo mundo é imperfeito… mas tem estes heróis na TV..–e esta é a primeira geração de TV, se você gosta, pessoas sendo bombardeadas com imagens perfeitas. O Super-Homem, Homem Biônico, a garota do anúncio do perfume e todos aqueles atuando. Quando eu tinha seis ou sete anos, tinha uma roupa do Batman, fui andando pela rua, e os meninos grandes puxaram a máscara em cima dos meus olhos para que eu não pudesse ver onde iria. Eu nunca usei ela novamente. Tudo deve ser apontado para o indivíduo, fazendo eles pensarem por si mesmos… se as pessoas pudessem apenas retirar essa camada, essa máscara, essa imagem de machão…”
A coisa que faz Bono e U-2 tão acreditáveis é sua consciência da vulnerabilidade; tanto em si mesmos como nos outros indivíduos. Eles vêem a aceitação disto como central para o conceito de harmonia, unidade e autoconfiança. E isso é importante.
Relatos sugerem que o U-2 está afirmando os ideais propagados mas não praticados por muitos dos nossos rebeldes de 1977, enquanto injetam suas músicas com uma amplitude e flexibilidade que parecia faltar até mesmo, digamos, no Penetration ou The Cure.
Bono pode ser despretensioso, enganosamente então, mas ele percebe o valor U-2. E ele percebe que ele têm a capacidade de levantar e informar uma parte substancial da nossa geração jovem.
“Francamente”, conclui, “eu gosto de ficar na minha, nos livros de leitura, quero ler, sair com minha namorada, escrever canções. Mas não quero só ficar nesse ambiente. Eu sou um tipo de pessoa que quer pegar tudo e quebrar tudo. Quero que as pessoas em Londres vejam e ouçam a banda. Quero substituir as bandas nas paradas agora, porque acho que estamos melhores.”
OEP do U-2, “Out of Control” um one-off com a CBS da Irlanda logo verá a luz do dia neste lado, através da Rough Trade. Pode ser em Dezembro.
Quatro indivíduos, Bono, The Edge, Adam Clayton, Larry Mullen, são o U-2. Quatro pessoas, mantendo a perspectiva, equilíbrio e entusiasmo juvenil: a caixa que eles escolhem para habitar se tornará maior, não menor.

screenshot_1
Foto do artigo original
Memória – U2 vence concurso em Limerick

Memória – U2 vence concurso em Limerick

Esta semana, apareceu um recorte de jornal que remete a um momento inesquecível na história do U2: o concurso vencido em Limerick. A banda recebeu um troféu e 500 libras, fundamentais para que investissem em instrumentos (e uma van, segundo Bono).

Com rostos juvenis (e nomes escritos errados), Paul, David, Adam e Larry  foram retratados como uma banda promissora – a U2 Malahide. O concurso aconteceu no dia 18 de março de 1978, pouco tempo depois de terem iniciado, e Adam é descrito no recorte como o “líder” da banda.

É muito bom poder ver de onde eles saíram e até aonde chegaram….

 

u2 (1)
Olhem a legenda da foto

 

article3

Do site Brand New Retrô

Colaborou: Roseli Mello