Meu encontro com Bono em Londres

Meu encontro com Bono em Londres

Por Regiane Batista do Nascimento

Entregando o terço

Meu nome é Regiane, sou fã desde 1989/90. Moro em Campinas e sou uma mulher de fé, que acredita no ativismo do U2 e sonha com justiça social.

Hoje, eu vou contar um pouquinho sobre o dia em que entreguei um terço ao Bono. Um encontro tão esperado e que acabou acontecendo de um modo inesperado. Foi a viagem dos sonhos que fiz, somente eu e uma amiga. O destino era a Irlanda e a Escócia. Os planos eram fazer “a tour” dos fãs em Dublin e depois embarcar para Glasgow, para assistir à I+E TOUR. Eu só tinha uma certeza: entregar um terço a ele!

Ainda no Brasil, recebi uma ligação de minha irmã, perguntando onde eu estava.  Respondi: estou numa loja comprando um terço para entregar para o Bono, ela achou aquilo engraçado e disse: doida! E lá vamos nós, um vôo com escala em Londres e, para nosso desespero, fomos informadas que a conexão para Irlanda estava cancelada por causa do mau tempo, sem previsão. Resumindo: três dias presas em Londres, três dias a menos na Irlanda.

Brian e Regiane

Não consegui engolir o choro, minha amiga menos ainda. Fomos para um hotel, inconsoláveis, com um porém: estávamos inconsoláveis em Londres… Conversando com os amigos da UV, soubemos que alguns estavam na cidade. E os UVs – sempre bem informados – sabiam em que hotel eles estavam. Saímos de manhã, para dar uma volta no Hyde Park, com os itens do U2 sempre nas nossas bolsas.  Resolvemos então passar pelo hotel e ficar olhando para as janelas, porque sabíamos que era praticamente impossível encontrá-los, já que na noite anterior tinham comemorado o aniversário do Larry e, com certeza, eles estavam de ressaca.

De repente, eu vejo Brian e um pequeno grupo de mais ou menos cinco pessoas na porta do hotel. Eu surtei por dentro, por fora fingi costume. Nos aproximamos e fomos falar com ele que, por sinal, é muito simpático quando não está no Brasil, rs… Ele já tinha um esquema e, como eram poucas pessoas, combinou com a gente que Bono desceria e um de cada vez ia entrar para tirar uma foto e pegar um autógrafo, sem demorar.

Uma imagem que fala mais que mil palavras

Surtei de novo, mas sempre fingindo estar acostumada. Meu número era o 6. O papo do simpático Brian com o grupo continuou. Quando olhamos pro lado, uma turma de curiosos se aproximou e descobriu que era Bono quem estava no hotel, para o nosso desespero. O pequeno grupo se transformou numa fila com mais de vinte pessoas. Brian entrou e saiu algumas vezes, até que nos informou sobre uma mudança de planos. Esse choro, eu tive que engolir…

Brian pediu desculpas e disse que, por conta da fila, Bono resolveu sair rapidamente e só dar alguns autógrafos. Além do Brian, vários seguranças faziam de tudo para que Bono não pegasse nada nas mãos. Pediam para entregar os presentes para eles o tempo todo. Pensei: não mesmo! Brian não saia do meu pé e ficava repetindo: o presente, o presente!

Bono pertinho de Regiane, com o terço na mão

Até que o Bono chegou, olhou para o terço e me perguntou sobre as cores. Era um terço missionário. Respondi que cada cor trazia uma reflexão para cada continente e ele respondeu: “Uau, Love and peace!” Neste momento, um grande mico. Do nada, involuntariamente, simplesmente saiu da minha boca: Yep! Love And Peace Or Else… Pensei em duas coisas: abre um buraco e enfia a cabeça; ou outra, ele deve “tá” pensando: essa é fã de verdade! Esperei que ele mandasse logo um: Laydown… Kkk

Óbvio que nenhum e nem outro, ele apenas pensou, mais uma maluca! Mesmo assim, perguntou de onde éramos, de qual cidade. Respondi que era do Brasil, São Paulo. Ele disse: “Uau, Brasil!!! Nós amamos São Paulo!” Depois disso, ele autografou nosso livro e saímos de lá querendo estrangular cada curioso que estragou o plano de dar um abraço e tirar uma foto com o nosso ídolo. De qualquer maneira, quando tem que ser, é!

O hotel em Londres

O terço que imaginei entregar em Glasgow, foi entregue em Londres por conta do mau tempo. Nunca mais reclamei quando os planos não saem como planejamos. Já no show, na Escócia, tenho certeza de que ele se lembrou do terço. Eu o segurei igual e, várias vezes, Bono olhou para ele e caminhou como se viesse com a intenção de pegá-lo (temos testemunhas). Os escoceses ao nosso lado vibravam, cada vez que ele caminhava na nossa direção…

Bandeira do Brasil que Bono “roubou” de Regiane e Liz

Deixe uma resposta