Carta de Bono aos fãs – Booklet SOE

Carta de Bono aos fãs – Booklet SOE

Em mais de uma oportunidade, Bono afirmou que as letras de SOE eram cartas para pessoas importantes em sua vida. No encarte do novo CD, ele escreve uma longa carta a seus fãs, ouvintes do Songs of Experience.  Num trabalho em conjunto, alguns UVs generosos resolveram traduzir o que ele quis dizer a todos nós.

Desfrutem!

 

SONGS OF EXPERIENCE

Você começa no final.
Você começa com uma tela em branco.
Você começa com nada.
Você começa com o vazio.

Amor é tudo que nos resta

Talvez tenha sido o Dalai Lama que tenha dito que qualquer meditação na vida começa com a pessoa à morte. Soa um pouco sombrio. Não para mim. Eu perdi minha mãe quando tinha 14 anos e aprendi muito com seu desaparecimento. Eu gostaria que eu fosse mais velho, mas como um jovem adolescente, encarando duramente esse vazio, foi onde uma força vital imprimiu um ritmo em mim, quando uma certa rebeldia começou.
Desafiar as probabilidades, desafiar as expectativas das pessoas, desafiar a morte em si. Roubá-la de seu poder sobre mim ou de qualquer outra pessoa. (eu já tinha mania de grandeza desde aquela época).
Eu me lembro de ler Dylan Thomas “e a morte não possuirá nenhum domínio” Grande poema, eu acreditava e ainda acredito. Em algum lugar do caminho eu descobri a alegria como um ato de rebeldia e essa rebeldia foi a essência do romance.

Ninguém vai impedir este dia de ser o melhor de todos
Ninguém nos impedirá de estar onde deveríamos
Eu queria o mundo mas você bem sabia.
E tudo o que nós temos é a imortalidade.

A banda passou muitos verões no sul da França, é um lugar que nos salvou de nós mesmos, nos reapresentou ao amor de nossas vidas, a nossa família, a nossa música, noites se tornando alegres com as manhãs, tardes com o sol a pino. O sol caçoando de irlandeses, pois não éramos apenas brancos, éramos rosa. O mediterrâneo repousa lá como um lago. Trazendo uma calma que eu raramente encontro em qualquer outro lugar. Mas nos últimos verões, está havendo um certo presságio, onde costumava haver um plácido horizonte, pudéssemos ou não ver, uma vez que lêssemos as notícias e víssemos as imagens, podíamos sentir.

A guerra da Síria estava bem do outro lado da margem.

“Quando tudo está perdido, nós descobrimos o que permanece.
Os mesmos oceanos cruzados.
Para alguns prazer, para outros dor”

Eu tenho pensado sobre a Costa Oeste.

A Costa Oeste da Síria no mesmo mar Mediterrâneo, onde observamos enfermeiros e professores, pessoas que se parecem muito conosco, segurando firme suas crianças, seus poucos pertences, se agarrando a quase nada, a uma esperança, ao sonho de uma outra praia, um barco de borracha, pallets de madeira, destroços humanos desembocando na Itália ou Turquia, quem sabe onde.

Adam chamou a atenção da banda para o fotógrafo e cinegrafista Richard Mosse e sua instalação no Brooklin, usando filme térmico militar para gravar a vida fantasma dos refugiados, isso nos deixou sem palavras, uma sombria, porém extraordinária visão. Então o álbum tem duas canções de amor com pungentes nuvens negras pairando sobre elas, céus de petróleo, lindos, mas inflamáveis.

Summer of Love
Red Flag Day

No ultimo inverno, eu mesmo passei por experiências chocantes que fizeram eu agarrar a minha própria vida como uma tábua de salvação. Muitos de nós tem contato com a mortalidade em algum momento. Seja a nossa própria ou a de alguém que nos seja caro. É uma experiência arrebatadora, eu fui arrebatado.
De cara pra parede, com minhas mãos acima da cabeça, autoridades gritando para eu não me mover. Eu não vou me prolongar nisso ou sobre isso. Eu não quero nomear. Em um mundo de reality show de maior ou menor melodrama, eu posso poupar todo mundo disso.
Seja física, mental ou emocionalmente, muitos de nós enfrentam um grande obstáculo em algum momento de nossa vida.
Eu me sinto fantástico agora, mais forte do que nunca, mas estas músicas tem um ímpeto por trás delas e seria desonesto não admitir a turbulência que eu sentia no momento em que as escrevi.

O gênio que está por trás da genialidade de John Donne e da genialidade de algumas pessoas conduziu-me em segurança à praia. Mas eu confesso que ao longo do caminho, a fé que guiou minha vida desde que eu era jovem, não só não se aprofundou, como se estreitou.

Eu tive que lutar ainda mais duramente por essa fé.
Para ouvir a voz de Deus.
Eu tive que baixar as persianas para o mundo .
Limpar os ruídos do fundo e do primeiro plano. As interferências.
Diminuir o volume da minha mente povoada para ouvir aquela voz quieta e suave que promete a paz que ultrapassa toda compreensão.

Aquela relação que você tem com Deus ou o que quer que você queira chamar de Deus. Uma relação que somente produz a verdade. Eu tive que encarar algumas mentiras que eu vinha contando a mim mesmo. Mentiras como a que minha cabeça é mais dura que o chão. Eu tive que encarar meu próprio medo e meu medo do medo em si. Isso não é fácil para mim.
Mas a voz de Deus voltou, aquela que eu ouvia ainda na infância.
A língua é difícil de traduzir, mas a camiseta dizia: liberte-se, para ser você mesmo, se ao menos você pudesse se ver.
A voz de Iris, a voz de Deus, a voz da amizade, quem sabe?
É poderoso, é perspectiva.
Tempo de voltar pra casa, de descobrir que não era um lugar. Era um rosto, mais do que algumas faces, mas seu coração era meu lar.
Ali.
As luzes do lar.
Eu sempre soube que felicidade não se pode planejar. Que é a fonte de uma vida sendo vivida e amada.
Na mensagem, a tradução da Bíblia de Eugene Peterson, eu li Salmo 100: “Entre com a senha, obrigado. Sinta-se em casa”.
Que frase!
Eu fui em busca da felicidade que não pode ser fabricada. Que não está sujeita à vontade. A felicidade é muito mais fácil de se falsificar.

Uma pílula, uma promessa, um cavalo se aproxima em uma aposta de 10 para 1, um rosto bonito para se imaginar, uma noite na cidade, uma boa gargalhada com grandes amigos…
A alegria é uma coisa diferente.
A grande música é uma alegria… The Beatles, Mozart, Beethoven, Aretha, The Ramones… Há tantos, não há uma lista definitiva.
A alegria explode até mesmo com a raiva,,.
“Raiva é uma energia”, cantou Johnny Lydon no anos 80, com sua banda Public Image LTD, quando o U2 ainda estava tentando se encontrar.
Rage Against The Machine. “Raiva, raiva contra a morte da luz”, disse Dylan Thomas. É onde a raiva vive.

Antes de começar a escrever estas canções de experiência, eu decidi assumir o desafio do grande poeta Brendan Kennelly. ”Se você realmente quer chegar ao lugar onde a escrita vive”, ele me desafiou, “escreva como se estivesse morto”.
É um desafio para se passar, além do ego, além da preocupação de como suas palavras podem afetar as pessoas ao seu redor. É priorizar o que você pode ter a dizer se você acha que estas podem ser as suas últimas declarações.
Eu pensei que era uma boa ideia – até o momento em que não era mais apenas uma ideia e eu estava realmente fazendo isto. Era como uma realidade que estava sendo reproduzida comigo.
Eu gostaria que as pessoas que ouvissem estas canções soubessem que em muitas delas, eu abordei com uma sensação de que poderia não estar mais por perto para escutá-las no rádio ou no fluxo das coisas.

Eu perdi muitos dos meus heróis. Leonard Cohen, David Bowie, Prince. Eu pensei muito sobre a possibilidade de não estar por perto e então fiz estas músicas como cartas de amor.
American Soul é uma carta para a América.
Um país ainda inovando e se reinventando que tem sido a inspiração para esta banda desde a primeira turnê nos anos 80. E todos nós lemos ‘Crônicas De Motel’ de Sam Shepard, ouvimos Patti Smith e conhecemos o grande poeta Allen Ginsberg. Por anos, eu tenho sido um chato, um pé no saco para quem quiser ouvir, tentando explicar que a América não é apenas um país, é uma ideia. É uma grande ideia também. Mas enquanto nós gravávamos essas 12 músicas, sentimos que a ideia da América estava sendo desafiada, talvez até mesmo distorcida, de maneiras bastante problemáticas.

O crescimento das ideologias de extrema-direita que rejeitam o conservadorismo dominante nos Estados Unidos não é uma surpresa – estão ocorrendo por todo o mundo – mas ver isto nos EUA, ver a Ku Klux Klan marchando pelas ruas de Charlottesville sem seus trajes ridículos e chapéus pontudos, é um novo nível de perigo e absurdo. Edge descreve isto como ‘a doença mental do racismo’ sem máscara. Por que eles se sentem tão encorajados? Falar de banir os muçulmanos da América por medo da ameaça de terrorismo seria como os britânicos nas décadas de setenta e oitenta banirem todos os irlandeses do Reino Unido por medo que um de nós pudesse fazer parte do IRA. É claro que poderíamos, mas você não pode interditar o ar porque ele carrega um vírus. E então nós nos sentimos traídos ao ler todas aquelas palavras de Emma Lazarus no pedestal da Estátua Da Liberdade, belas palavras: “Dêem-me os cansados, os pobres, suas massas apinhadas que anseiam por respirar em liberdade.”
Sim, eu me sinto traído.

Cartas de amor…..
The Showman é uma carta de amor para qualquer um que cai na arrogância de um artista de muito pouca confiança. Você conhece aquele fenômeno muito pouca confiança? De qualquer forma, é uma carta para qualquer um de qualquer plateia. Nós damos à luz para estas canções, mas é o público que dá vida e sentido a elas. O relacionamento do artista e do público, no U2, é um romance muito louco, mas também um desafio. Tem que ser assim. Há um acordo entre as partes. Nós não temos que nos preocupar com colocar nossos filhos na escola ou como pagar a viagem da família nas férias, enquanto nosso público não precisa se preocupar sobre a banda dar tudo o que ela tem de melhor. É por isso que o U2 demora tanto tempo para finalizar a gravação de nossos discos, finalizar as canções, é por causa disto. The Showman era uma grande demo, mas só se tornou uma grande canção quando Larry sentou atrás de sua bateria e, em uma sessão, modificou todo o take para a melodia.

Desde o início, Larry, Adam, Edge e eu assinamos este acordo para o negócio e não houve praticamente nenhum show onde isso não tenha sido verdade, mas este conjunto de canções nos custou mais do que esperávamos. O ego fica menos maleável na medida que você vai ficando mais velho, não é? Enquanto empurrávamos as canções para lhes dar uma forma, estávamos empurrando uns aos outros para fora do que estava se formando. Eu acredito que sobrevivemos, mas a melhor música do U2 tem sempre que sair do questionamento. Então, novamente, os cantores são as últimas pessoas que você precisa ouvir quando eles não estão cantando. Artistas são as últimas pessoas que você pode confiar em assuntos relacionados à performance deles. Nós podemos rir quando as coisas não são engraçadas, nós podemos chorar em um close-up.
‘Eu minto para viver
Eu amo fingir
Mas você torna isso verdadeiro
Quando você canta junto’

Cartas.
Há cartas para filhos e filhas.
Love Is Bigger Than Anything In Its Way
13 (There Is A Light)
Get Out Of Your Own Way
Aos parceiros. Para Ali
You’re The Best Thing About Me (é claro, esta é fácil)
Tem também Landlady (obviamente)
‘A senhoria me impulsiona para o alto. Eu vou, eu vou onde eu não ousaria’
Quem pagou por minha caminhada antes de eu conseguir dois pences, quem providenciou uma cama e não se entediava quando o compositor estava escrevendo sobre si mesmo em círculos. A pergunta que não saía da minha cabeça era se eu conseguiria fazer uma música pra Ali, uma canção de exortação, sem provocar aquela náusea de sentimentalismo? É difícil. Hummm, talvez humildade, se eu pudesse lembrar como aquilo era, poderia ajudar. Humor?
”E eu nunca vou saber, nunca saberei o que “poetas que passam fome” quer dizer;
Porque quando eu estava sem dinheiro, foi você que sempre pagou o aluguel’

‘Eu tenho chorado
O quão ruim pode ser um bom momento
Falar da boca para fora
Isto é uma outra grande coisa sobre mim…’
‘Nunca subestime o ego masculino, querida’, como Marianne Faithfull colocou. Eu percebi isso. A crise de meia idade em que você pensa que não está tendo uma crise de meia idade.
O amor sempre foi o nosso assunto principal, mas o amor nem sempre é amável. ‘Somos fortes o suficiente para um amor comum?’ É a pergunta correta. São muitas as canções que patinam em torno deste assunto, mas as duas canções bônus do álbum não.
Tão frio quanto um acordo é The Book Of Your Heart.
Eu queria escrever sobre uma paixão fria. Eu reli The Fisherman do Yeats onde ele fala de seu desejo para uma poesia ‘tão fria e apaixonada como o amanhecer’.
Eu tentei pensar através daquilo, e eu vim com a linha ‘Essa é a beleza da cicatriz.
Esse é o acordo do coração’.
É um tipo de referência ao casamento, ao juramento dos relacionamentos. Há um preço em juramentos feitos no amor quando jovens, mas no final o preço nunca é alto o suficiente, é?
(Vale muito à pena).

Se existe algo interessante sobre o ato de escrever é que isso sempre irá revelar o escritor e eu quis mergulhar nu nessas Songs of Experience, (canções de experiência).
Não apenas nadar nu, mergulhando com os que eu amo. Eu queria tirar a minha pele. Apresentar-se em público é sempre uma strip-tease, mas ao escrever você revela coisas que você não sabia que não estava usando. Você se expõe. Eu não tinha certeza de quem eu não era ao escrever sobre Little Things that Give you away. Até que eu percebi que era eu mesmo e que isso era um diálogo entre minha inocência e minha experiência. A inocência se altercando com a experiência até que esta se quebra.
“Eu te vi nas escadas.
Você não notou que eu estava lá.
É porque você estava falando para mim e não comigo.
Você estava bem acima da tempestade.
Um furacão nascendo.
Mas essa independência pode custar sua liberdade.”

”Hey, esse não é o momento para não estar vivo…”

No final da experiência, através da sabedoria, esperamos recobrar a inocência. Alguém chamou de “a segunda ingenuidade”.

O amor é tudo que nos resta…
“Uma criança chora da soleira da porta. A única coisa que pode ser mantida”

The Blackout é uma carta para o momento em que nós estamos onde o apocalipse tanto pessoal quanto político se misturam. Não apenas o monstro de pedra dizimado pelo tempo, mas a democracia jurássica à beira da extinção.
Soa melodramático? Bem, é o que esperamos da ópera, não? Grandes melodias, grandes emoções.
Não acho que seja exagerado.
A democracia no fundo é apenas um ponto fora da curva na história. Liberdade, igualdade e fraternidade não são condições humanas, são? São aspirações tomadas à força por revoluções sangrentas. É um lance sangrento e conturbado. Assim como traumas pessoais, também com distopia política. The Blackout.
”Na escuridão, onde você aprende a ver.
Quando as luzes se apagam, nunca duvide.
A luz que realmente poderíamos ser”

“Se, entretanto, você quer olhar para as estrelas”, disse Annie Dillard, “você descobrirá que a escuridão é necessária.”
É na escuridão onde realmente nos vemos.
Onde descobrimos quem somos.
Onde somos deixados com nada.

Você começa no final.
Você começa com uma tela em branco.
Você começa com nada.
Você começa com o vazio.

 

Bono

 

Tradução by:

Gracia Cardeal

André Joe

Revisão by:

Mari Carla Giro

Ana Vitti

Weezer

Patrícia Moura

 

3 Replies to “Carta de Bono aos fãs – Booklet SOE”

Deixe uma resposta