Music can change the world because it can change people.

Bono

ULTRAVIOLET-U2 Brasil

você está em
Notícias

Voltar
lista de notícias

23 setembro 2014 16:11

por: Priscila Liporone

Na véspera do lançamento de Songs of Innocence o repórter Gus Wenner, da revista Rolling Stone americana, entrevistou Bono. Confira a tradução do artigo publicado no site da revista.

 

O U2 surpreendeu o mundo hoje ao lançar Songs of Innocence, seu primeiro álbum em cinco anos, como um presente da Apple disponível de graça a qualquer um que tenha iTunes. A banda fez o anúncio com o CEO da Apple, Tim Cook, na conferência de imprensa de Cupertino para o novo iPhone 6, coroando o evento com uma performance do primeiro single do álbum, “The Miracle (of Joey Ramone)”. Depois de serem aplaudidos de pé, Cook disse: “Esse não foi o single mais incrível que você já ouviu? Adoraríamos um álbum inteiro disso.”

“A questão agora é, como podemos fazê-lo chegar ao maior número de pessoas possível, porque é disso que se trata a nossa banda”, disse Bono. “Acredito que você tem mais de meio bilhão de assinantes do iTunes, então – você conseguir levar isso a eles?” “Se nós dermos de graça [sim]”, Cook respondeu. E cinco segundos depois, o álbum foi liberado e se tornou o maior lançamento do álbum de todos os tempos.

“Nós queríamos fazer um álbum muito pessoal”, Bono disse a Gus Wenner da Rolling Stone um dia antes da conferência de imprensa em uma entrevista exclusiva. “Somos nós tentando tentar descobrir por que queríamos estar em uma banda, nas relações em torno da banda, nossas amizades, nossos amantes, nossa família. O álbum todo é sobre nossas primeiras jornadas – primeiras jornadas geográficas, espirituais, sexuais. Foi difícil. Mas nós conseguimos”.

A banda trabalhou em ‘Innocence’ por dois anos com o produtor Danger Mouse (a.k.a. Brian Burton), para depois trazer ajuda extra: Flood, colaborador desde The Joshua Tree, de 1987, além dos produtores de Adele, Paul Epworth e Ryan Tedder. “Eu acho que tê-los por perto ajudou muito”, diz Bono. “A música que se chama de pop por aí, não é pop – é apenas ótima. E queríamos ter a disciplina dos Beatles ou os Stones dos anos 60, quando havia músicas reais. Não há onde se esconder nelas: pensamentos claros, melodias claras”.

Para começar, a banda voltou às suas raízes: Bono diz que o grupo ouviu as músicas que eles amavam nos anos 70, de punk rock a Bowie, glam rock, primórdios da música eletrônica e Joy Division. O álbum abre com “The Miracle (of Joey Ramone)”, uma canção pop de galope amarrada com acordes distintamente punk. “Eu encontrei a minha voz através de Joey Ramone”, diz Bono, “porque eu não era um cantor punk-rock óbvio, ou mesmo um cantor de rock. Eu cantava como uma menina – coisa que eu curto agora, mas quando eu tinha 17 ou 18 anos, não tinha certeza. Então eu ouvi Joey Ramone, que cantava como uma menina, e foi a minha porta de entrada”.

A forte e pintada de reggae “This Is Where You Can Reach Me Now” é um tributo ao The Clash, com guitarras furtivas de The Edge que flertam com Sandinista!. “Depois que vimos o Clash, foi meio que uma espécie de modelo para o U2”, diz Bono. “Nós sabíamos que não poderíamos sequer esperar ser tão legais, e isso provou ser verdadeiro, mas nós achamos sim que poderíamos nos posicionar com um tipo de agenda de justiça social.”

Há também uma canção muito pessoal sobre a mãe de Bono, Iris Hewson, que morreu quando ele tinha 14 anos. “Quarenta anos atrás, minha mãe caiu no funeral de seu próprio pai, e eu nunca mais pude falar com ela de novo”, diz ele. “A raiva sempre sucede o luto, e eu tinha um monte de raiva, e ainda tenho, mas eu a canalizava através da música, e ainda o faço. Tenho poucas lembranças de minha mãe, e coloquei algumas delas em uma música chamada ‘Iris'”.

A faixa mais alegre em Songs of Innocence é “California (There Is No End to Love)”, que inesperadamente flerta com os Beach Boys em sua introdução. “É como o próprio sol”, diz Bono. “É sobre a nossa primeira viagem para Los Angeles”. A faixa mais obscura, por sua vez, é “Raised by Wolves”, que fala sobre a fatal detonação de um carro-bomba em Dublin. “Foi um incidente real que aconteceu em nosso país, no qual três carros-bomba foram preparados para explodir ao mesmo tempo em Dublin numa tarde de sexta-feira, às 17h30,” diz Bono. “Em qualquer outra sexta-feira eu teria ido àquela loja de discos, dobrando a esquina, mas naquele dia eu fui para a escola de bicicleta”.

Em alguns momentos Songs of Innocence dá a impressão de ser quase um álbum conceitual sobre os primeiros anos de Bono – há até uma faixa com o nome da rua onde o cantor cresceu, [chamada] “Cedarwood Road”. “O álbum tem uma coesão lírica que eu considero única entre os álbuns do U2”, diz Bono, “Eu não quero que seja um álbum conceitual, mas as músicas vêm de um mesmo lugar. Edge riu e disse que este é o nosso Quadrophenia. Se tivéssemos essa sorte”.

Atualização: A Apple enviou uma nota à Rolling Stone informando o número de pessoas que ouviram Songs of Innocence na primeira semana. “Queríamos agradecer aos nossos clientes e compartilhar nosso amor pela música dando a eles Songs of Innocence”, disse Eddy Cue, vice-presidente sênior de Software e Serviços de Internet da Apple. “Apenas seis dias após seu lançamento no iTunes, um recorde de 33 milhões de pessoas já ouviram o álbum.”

 

Rolling Stone

Comentários

Não há comentários.

Busca

Assine

Lista de Discussão

Converse com os fãs do U2 por .

Redes Sociais

Facebook Twitter Google Plus RSS

Anúncios

Coloque seu anúncio aqui.

Contribua

Se você tem alguma dica de notícia sobre o U2 que ainda não publicamos, por favor envie-nos um email. O nosso endereço é dicas@ultraviolet-u2.com.

Por favor indique a fonte da notícia e, se houver uma foto que ilustre a notícia, anexe a foto ao seu email.

Nós Apoiamos

GRAAC Conheça mais sobre o GRAAC. Assista o vídeo. Você também pode ajudar. Faça uma doação ao GRAAC.
Ultraviolet