Music can change the world because it can change people.

Bono

ULTRAVIOLET-U2 Brasil

você está em
Notícias

Voltar
lista de notícias

6 setembro 2012 10:31

por: febottini

U2 e Pavarotti

2 comentários
3125 visitas
Matérias

Luciano Pavarotti faleceu no dia 6 de setembro de 2007. Ele era considerado um dos maiores tenores da história da música. Mas Pavarotti fazia questão de fazer parcerias com músicos de outros estilos, tendo gravado com os principais nomes da música internacional, inclusive o U2. Vamos contar como foi essa história.

Bill Carter, diretor de um documentário sobre um concurso de beleza realizado na ex-Iugoslávia em plena guerra, viajoupara Sarajevo em 1993 para oferecer ajuda humanitária e rapidamente se viu no coração do conflito. Viveu durante seis meses num edifício de escritórios, sobrevivendo com apenas comida de bebê e água.

Ele entrou em contato com U2 enquanto eles estavam fazendo a turnêZoo TVe pediu que a banda divulgasse para o público o que estava acontecendo na Iugoslávia, pois sentia que o mundo ignorava o lado humano dessa guerra.

A banda organizou uma série de ligações via satélite onde Bill Carter deu a alguns habitantes de Sarajevo a oportunidade de serem ouvidos perante estádios de futebol lotados de fãs – nesta altura, as comunicações com Sarajevo já haviam sido cortadas há mais de um ano e meio.

As transmissões via satélite eram breves e não-editadas, portanto, em tempo real. Bill Carter conseguiu que lhe enviassem da Califórnia, EUA, a sua câmera para poder filmar o documentário (que foi produzido por Bono) com o objetivo de mostrar ao mundo como a população local vivia durante esta guerra.

Em 1995, o U2 fez um projeto paralelo, Passengers. À pedido do diretor Bill Carter e da insistência do cantor italiano Luciano Pavarotti, Bono compôs a música “Miss Sarajevo”. A canção é inspirada no concurso de beleza realizado na Bósnia em 1993, em plena guerra. As concorrentes fizeram um protesto que depois ficou conhecido em todo o mundo.

“Miss Sarajevo” foi uma canção feita para lembrar o mundo da Guerra da Bósnia, que ocorreu entre 1992 e 1995 e resultou na morte de 57 mil militares e e 38 mil civis. Mesmo devastado pela guerra, com comida e água racionadas, a cidade de Sarajevo, principal palco dos combates e atual capital da Bósnia-Herzegóvina, mantinha um movimento de resistência que buscava manter o cotidiano mesmo com as atrocidades dos combates. Apesar da feiura da cidade depois de devastada, eles fizeram um concurso de beleza, o Miss Sarajevo, em 1993. O concurso foi realizado num porão por medo da ação dos atiradores de elite sérvios, que a qualquer momento podiam disparar. A vencedora foi Inela Nogic, de 17 anos.
A canção protesta contra a guerra na Bósnia, criticando a comunidade internacional pela sua inabilidade para parar a guerra e ajudar os afetados por ela.

O clipe dessa música combina imagens de parte do documentário de Bill Carter, com imagens da primeira apresentação da canção em 1995, num concerto de Luciano Pavarotti, em Modena (Itália).

Quando nós chegamos no aeroporto ele estava nos esperando com cinco limusines brancas, cinco Mercedes. A janela abaixou e o grande homem estava sentado no volante e nos levou pra dentro do carro e dirigiu umas 15 milhas até sua casa. Os portões se abriram e nós fomos nesse longo percurso e ele estacionou o carro… na mesa! (Risadas). Ele abriu a porta e disse: ‘Massa!’ E que foi feita para mim! (Bono – In His Own Words)

Em 2003, devido a grande amizade, Bono voltou a cantar em Modena. Desta vez, ele cantou ‘One’ sozinho e ‘Ave Maria’ em um dueto com Pavarotti.

Em 2007, quando Pavarotti faleceu vítima de câncer, Bono escreveu uma carta que foi publicada no site oficial do U2.

Edge, Ali e Bono no funeral

“Alguns cantam ópera, Luciano Pavarotti era uma ópera”:

Ninguém podia concretizar aquelas melodias acrobáticas como ele. Viveu as canções, sua ópera era uma grande mistura de alegria e de tristeza; surreal e terreno ao mesmo tempo; um grande vulcão de homem que cantava o fogo mas derramava-o com um amor à vida em toda a sua complexidade, um amigo grande e generoso.Muito, muito divertido, o Pavlova que nós o costumávamos chamar.Um manipulador emocional, se quisesse que alguém lhe fizesse algo, era impossível dizer não. Um grande elogiador.
Quando quis que o U2 lhe escrevesse uma canção, telefonou para ao nossa empregada, Theresa, continuamente, assim que, nós falamos sobre pouco mais em nossa casa.Quando quis que o U2 fosse tocar em seu festival em Modena, viajou para Dublin sem anunciar-se com um grupo de filmagens, e parou-nos na porta. A sua vida e talento eram grandes, mas o seu sentido de serviço ao mais fraco e vulnerável era maior.Nós escrevemos-lhe “Miss Sarajevo”. Ele tinha trabalhado na crise humanitária que era a guerra na Bósnia. Viajamos juntos num voo da força aérea das NU para Mostar… todos nós muito sérios com capacetes de guerra, apenas quase atirados neste avião industrial com este grande homem que tem um grande pão com parmigiano de Reggio Emilia, “o mais melhor queijo no mundo” disse… só para fazer-nos rir.
Em Pesaro, a sua casa de verão, viveu uma vida quase boémia com um estúdio de gravação ajustado acima numa casa de anexo – mas fez todos os seus vocais no seu quarto… lá era uma rede pendurada entre dois pinheiros para uma siesta. Gostava de comer, de dormir e de então aquecer então as suas cordas vocais, embora me recorde que comia mais do que aquecia as cordas vocais. Quando pela primeira vez gravamos com ele, saí de lá bem mais pesado do que quando cheguei.Intelectualmente curioso, não poderia deixar de furar a sua própria geração – amante de ideias novas, povos novos, novas formas de canções.
Um homem sexy cuja a vida se iluminou outra vez quando caiu se apaixonou por Nicoletta e enquanto prestava atenção quando Alice brincava no quintal. Amou muito todas as suas filhas. A tristeza de perder o seu único filho era o seu único silêncio.
Falei-lhe esta última semana… a voz que antes era mais alta do que o som de uma banda de Rock, era agora um sussurro. Ainda assim comunicou o seu amor. Completamente cheio de amor.
É isso o que as pessoas não compreendem sobre o Luciano Pavarotti. Mesmo quando a sua voz perdeu força, as suas habilidades interpretativas faziam dele um gigante entre alguns homens altos.”

Bono

UltraViolet-U2 no Twitter: https://twitter.com//ultravioletu2
UltraViolet-U2 no Facebook: https://www.facebook.com/UltravioletU2Brasil

Comentários

Belo trabalho Fernanda, mais uma vez parabéns. Essa amizade um tanto quanto inusitada entre um roqueiro e um cantor lírico tinha como base uma identidade muito grande: o amor pela música e a paixão por cantar. A partir daí, eles encontraram outros pontos em comum, como a compaixão, o amor pela família, e o gosto pela boa mesa.

Belo trabalho Fernanda, mais uma vez parabéns. Essa amizade um tanto quanto inusitada entre um roqueiro e um cantor lírico tinha como base uma identidade muito grande: o amor pela música e a paixão por cantar. A partir daí, eles encontraram outros pontos em comum, como a compaixão, o amor pela família, e o gosto pela boa mesa.

Obrigada MT!
Eu acredito que essa amizade é especial também pelo Bob Hewson, pai do Bono… por ele gostar de ópera e acabar influenciando o filho a ser músico. Como ele mesmo diz em ‘Sometimes’: “You´re the reason why the opera is in me”.

Busca

Assine

Lista de Discussão

Converse com os fãs do U2 por .

Redes Sociais

Facebook Twitter Google Plus RSS

Anúncios

Coloque seu anúncio aqui.

Contribua

Se você tem alguma dica de notícia sobre o U2 que ainda não publicamos, por favor envie-nos um email. O nosso endereço é dicas@ultraviolet-u2.com.

Por favor indique a fonte da notícia e, se houver uma foto que ilustre a notícia, anexe a foto ao seu email.

Nós Apoiamos

GRAAC Conheça mais sobre o GRAAC. Assista o vídeo. Você também pode ajudar. Faça uma doação ao GRAAC.
Ultraviolet