Especial “U2 e o cinema – Parte 3”

Especial “U2 e o cinema – Parte 3”

Especial “U2 e o cinema – Parte 3”

Olá UV’s! Vamos para a terceira e última parte do nosso especial sobre as participações do U2 nas trilhas de filmes, e agora, chegamos aos anos 2000.

Logo de cara, durante as gravações do álbum “All That You Can’t Leave Behind” o roteiro escrito por Bono no final dos anos oitenta, chamado “O Hotel de Um Milhão de Dólares” foi retrabalhado por Nicholas Klein e ganhou a parceria do diretor Wim Wenders e de Mel Gibson, que topou viver o detetive Skinner da produção. Empolgado, Bono bancou a trilha, que virou uma espécie de “Passengers 2”, só que se no primeiro, Brian Eno foi o ‘quinto membro’ da banda, aqui o outro grande produtor da carreira da banda, Daniel Lanois, ganhou essa função. Juntamente com outros músicos, em sua maioria de Jazz, a banda foi batizada de MDH band. O U2 contribuiu com “Stateless” (sobra das sessões dos álbum que viria a sair em novembro), “The First Time” e “The Ground Beneath Her Feet”, feita tendo como base um poema escrito por Salman Rushdie, famoso por ter sido jurado de morte pelo governo Irãniano depois do seu controverso livro “Versos Satânicos”. Essa última chegou a ser cogitada para ser lançada como single. Inclusive um vídeo, dirigido também por Wenders, foi filmado. Porém, dado a proximidade do lançamento do novo álbum de carreira da banda, foi engavetado. Posteriormente, na compilação de vídeos “The Best Of 1990 – 2000”, ele foi lançado. Veja;

E quanto ao filme? Bem… É fraco. A história de amor promete, porém não engrena. Ainda mais, com o pano de fundo ‘policial’ armado para tentar dar alguma ‘cara’ ao filme. Não funcionou…

Se você quiser baixar e ter o filme (e dar a sua própria opinião), clique aqui.

Ainda em 2000, mais dois filmes utilizaram canções da banda; “Três Reis”, com George Clooney e Mark Walhberg utilizou “In God’s Country”; E “Um Homem de Família”, com Nicolas Cage, utilizou “One”.

Em 2001, seis filmes tiveram a contribuição da banda. Dentre eles, três se destacam; O primeiro foi “Moulin Rouge”, que contou com a regravação de “Children Of The Revolution”, do T-Rex por Bono e seu parceiro de longa data, Gavin Friday. Durante o filme, o personagem de Ewan McGregor recita alguns versos de “Pride (In The Name Of Love)”. A proposta do filme era de misturar musical cabaré com hits pop do século vinte. McGregor, aliás, que é grande fã do U2. Veja ele aqui, tocando “Running To Stand Still” ao violão;

Buskers”é um curta metragem irlandês que mostra uma banda, chamada de Achtung Baby, que toca nas ruas de Dublin. Em uma das passagens, podemos ouvir ‘I Still Haven’t Found What I’m Looking For”. Veja o filme;

E num envolvimento maior, a banda remixou e lanço como single “Elevation” como parte da trilha do filme “Tomb Raider”, com Angelina Jolie vivendo a heroína dos games de ação.. Na minha opinião, tanto filme quanto o vídeo feito para ele são terríveis. Veja;

U2 bom contra U2 mal? Blergh…

Os outros três filmes que utilizaram faixas da banda são; “Vida Bandida”, com Bruce Willis e Cate Blanchett (“Beautiful Day”), “Vanilla Sky”, com Tom Cruise e Penélope Cruz (“Wild Honey”) e o já citado na parte 2, “He Died with a Felafel in his Hand” (“Miss Saravejo”).

Em 2002, o grande destaque foi “The Hands That Built America”, composta especialmente para o filme “Gangues de Nova Iorque”, de Martin Scorcese. Por essa música a banda foi indicada ao Globo de Ouro e ao Oscar de melhor canção, ganhando o primeiro e perdendo o segundo para Eminen (!?!?). Bono e Edge ainda apresentaram a canção na cerimônia. Veja;

Um single promocional foi lançado na época e é bem raro. Nele, há uma versão levemente alterada da canção, batizada de “Soundtrack Mix”.

No mesmo ano, “Um Grande Garoto”, com Hugh Grant, baseado no livro de Nick Hornby, usa “Zoo Station”durante o filme. “A Herança do Sr. Deeds”, com Adam Sandler, contou com a nova versão de “Sweetest Thing”.

O pequeno filme underground “Black Velvet”utilizou “Beautiful Day”e o irlândes “Bloody Sunday”, que faz um retrato do fatídico “Domingo sangrento” irlandês, utilizou obviamente, “Sunday Bloody Sunday”.

Em 2003, mais algumas coisas interessantes; No filme “Um Lance de Dorte” (“The Good Thief”, no original)  Bono regravou um clássico famoso na voz de Frank Sinatra; “That’s Life” é mais uma na linhagem de grandes standards do jazz que ele gravou (como “I’ve Got You Under My Skin”, “Night And Day” e “I Wanna Be Around”). A faixa é bastante interessante. Ouça;

Ainda em 2003, a vocalista do The Corrs, banda irlandesa apadrinhada por Bono, Andrea Corr, gravou uma canção composta por ele e por Gavin Friday para o filme “Terra Dos Sonhos” (“In America”, no original). A faixa se chama “Time Enough For Tears”. Veja;

Outros dois filmes utilizaram canções da banda neste ano; “O Custo da Coragem” (“Veronica Guerin”, no original), com Cate Blanchett, utilizou “Everlasting Love”, B-side do single de “All I Want is You”; Já o filme “Dias Selvagens” (“Intermission”, no original) usou “Out Of Control” em sua trilha.

Em 2004, somente o filme “Rouband Vidas” (“Taking Lives”), com Angelina Jolie, utilizou algo do U2; “Bad” foi a escolhinda.

Já 2005, tivemos duas participações dignas de nota; Primeiro, a contribuição para “I’m Your Man”, documentário sobre a vida de Leonard Cohen, influência confessa de Bono e Edge. No filme, em meio a entrevistas, vários artistas pagam tributo a Cohen. Funcionando como uma banda de apoio, o U2 se junta a ele para uma versão de “Tower Of Song”, que no ano seguinte foi utilizada como B-side do single de “Window In The Skies”. Veja;

Pra quem não conhece Leonard Cohen, vale a dica; Ele é um dos maiores poetas ainda vivos e sua voz gutural te leva a outro lugar. Bono já havia participado de um tributo á ele em 1995, com o clássico famoso na voz de Jeff Buckley, “Hallelujah”.

Outra participação legal e curiosa é a parceria de Bono e Andrea Corr (novamente ela!) na faixa “Don’t Come Knocking” para a trilha do filme de mesmo título. O detalhe é que a faixa nunca foi lançada oficialmente. Uma pena… Veja;

Outro filme que utilzou uma faixa da banda foi “Backstage”, com a clássica “Love Is Blindness”.

Em 2006, quatro filmes utilizaram canções da banda, mas nada inédito; A comédia “Click”, com Adam Sandler, tem um momento muito bonito ao som de “Ultraviolet (Light My Way)” (que também foi utilizada no filme “O Escafandro e a Borboleta”, no ano seguinte); “O Diabo Veste Prada” utiliza “City Of Blinding Lights”. O drama “Becoming a Family” usou “Sometimes You Can’t Make It On Your Own” e o pequeno filme francês “Não Diga a Ninguém” utilizou a batida “With Or Without You”.

Em 2007, algumas coisas bem interessantes; Primeiro, “Love Is In Need Of Love Today”, clássico de Stevie Wonder, regravado por ele em parceria com Bono para o filme “Darfur Now”. Como não houve lançamento de trilha sorona oficial, a faixa permance inédita.

Agora o melhor, foi a participação no musical “Across the Universe”; Bono e Edge, em parceria com o Secret Machines, gravaram versões para “I Am The Walrus” e “Lucy In The Sky With Diamods”, dos Beatles. Bono, inclusive, interpreta um personagem no filme, o malucão Dr. Robert, uma alusão a canção dos quatro de Liverpool com o mesmo nome, do álbum “Revolver”, de 1966. Veja a perfomance de Bono cantando “I Am The Walrus” no filme;

O filme é fantástico. Vale a pena conferir pra quem ainda não viu 😉

Em 2008, o filme “A Ilha da Imaginação” (“Nim’s Island”, no original), com Jodie Foster e Gerard Butler, utilizou “Beautiful Day”.

Em 2009, o filme “Entre Irmãos” (“Brothers”, no original), foi responsável pela segunda indicação ao Globo de Ouro, pela faixa “Winter”. Além dela, “White As Snow”, do álbum “No Line On The Horizon” e “Bad” fazem parte do filme.

O detalhe é que a versão lançada para o filme é bem diferente da versão lançada em outro filme, “Linear”, feito por Anton Corbjin para a edição especial do álbum “No Line On The Horizon”, do mesmo ano. Nesse filme, cada música do disco recebe um clipe contando a história de um policial franco-marroquino que chuta tudo para o alto para voltar a África. Veja;

O detalhe deste filme, é que a ordem das canções é diferente da final lançada no álbum; Uma idéia interessante que ficou meio abandonada. Para assistir a todos os clipes, clique aqui.

E por último, Bono participou da comédia “Bruno”, cantando juntamente de outras celebridades, a canção “Doves of Peace”. No filme, Sasha Baron Carter interpreta um estereótipo de modelo, assim como já havia feito no hilariante “Borat”.

Ufa!

E é isso, por enquanto.

Não encontrei nenhum registro de participação em trilhas nos últimos dois anos.

Espero que vocês tenham gostado desse especial!

Deixem seus comentários!

Até mais!

9 Replies to “Especial “U2 e o cinema – Parte 3””

    1. ALGUM destes filmes é realmente bom? mostrando a língua Across the Universe para mim não é fantástico. Eu gostei dele, mas só é legal pelas músicas. A história mal faz sentido.

      Olha Carik… Tem muita coisa meia boca… Principalmente, nesse Hollywoodianos… Eu gosto muito de “Três Reis”; Acho “Click” uma comédia besta honesta;  “Vida bandida” é bem divertido… “Gangues de Nova York” Eu gosto  tbm, apesar de ser muito longo… Eu amo “Um Grande Garoto” e o documentário sobre o Leonard Cohen.

  1. Don’t Come Knocking virou “Estrela Solitária”. É um filme interessante do Win Wenders. O ator principal é Sam Shepard (o mesmo das teorias sobre Hawkmoon 269). Gostei.

  2. Estive no cinema ontem e havia o trailer de Extremely Loud and Incredibly Close (2011) com Sandra Bullock no filme que assiti. A trilha sonora do trailer era a melhor música do U2… Where The Streets Have No Name!



  3. Márcio, acho que esqueceste apenas do filme “Transformers” com a música “North Star”.

    Destes, vi alguns e estou com relativa curiosidade sobre “Linear”. Talvez esse filme expanda mais o lado conceitual de “No Line On The Horizon”.

    1. Márcio, acho que esqueceste apenas do filme “Transformers” com a música “North Star”.

      Destes, vi alguns e estou com relativa curiosidade sobre “Linear”. Talvez esse filme expanda mais o lado conceitual de “No Line On The Horizon”.

      É verdade… Apesar de que North Star não saiu oficialmente na trilha do filme.

  4. Excelente recap sobre a ligação do U2 com o cinema, parabéns Márcio, tuas colaborações fazem a diferença.

    Meu comentário fica sobre Linear. Talvez eu seja uma das poucas fãs desse pequeno filme do Anton Corbijn, pensado junto com o Bono. Na verdade me convenci, depois de ver o filme várias vezes, que o tracklist apresentado no Linear faz muito mais sentido do que o do NLOTH. Na verdade o tracklist do filme mostra exatamente o que seria, em maio de 2008, o então  novo álbum do U2, segundo declaração do próprio Anton. Por razões que só eles sabem ou entendem, excluiram a linda Winter, colocaram Crazy Tonight (que pouco tem a ver com as demais), e mudaram a ordem das faixas. Com isso, no meu entendimento, o álbum perdeu, e muito. Some-se a essas mudanças a escolha equivocada do lead single, e aconteceu o que todos sabemos. Tenho ambos no meu iPod, e praticamente só ouço a Linear soundtrack (ou NLOTH alternate version, como chamei essa playlist).

Comments are closed.